VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

1 de jun de 2013

A vida é difícil – Jó 1.1-12

A vida é difícil. Essa afirmativa sucinta de quatro palavras faz uma avaliação acurada de nossa existência terrena. Quando o escritor do livro bíblico de Jó pegou seu estilo para escrever essa história, ele poderia ter começado com uma sentença de tom singular e igualmente direta: “A vida é injusta”.

Ninguém pode contestar a afirmação de que a vida está pontuada de problemas, sofrimentos e dores de cabeça. A maioria de nós aprendeu a enfrentar a realidade de que a vida é difícil. Mas injusta? Algo nos perturba bem no fundo, tornando intolerável para nós aceitar e lidar com o que é injusto. Nossa necessidade de justiça supera nossa paciência com o sofrimento.

A vida não é só difícil, é totalmente injusta. Bem vindo ao mundo de Jó. Jó era um homem de piedade incomparável e genuína. Era também um homem merecidamente próspero. Um cavalheiro piedoso, extremamente rico, ótimo marido e pai fiel. Em um rápido e brutal golpe contínuo de calamidades, ele ficou reduzido a uma massa informe de sofrimento e tristeza. O acúmulo extraordinário de desastres que se abateu sobre Jó teria sido suficiente para acabar com qualquer um de nós hoje.

O homem ficou falido, sem teto, indefeso, e sem filhos. É deixado de pé, em um vale varrido pelo vento, ao lado das dez novas sepulturas de seus filhos mortos. Sua mulher soluça abatida enquanto se ajoelha ao lado dele, tendo acabado de ouvi-lo dizer: “O Senhor o deu, o Senhor o levou; louvado seja o nome do Senhor” (Jó 1.21). Ela se inclina e sussurra aos seus ouvidos: “Amaldiçoe a Deus, e morra” (Jó 2.9).

Sua miséria se transforma em mistério diante do silêncio de Deus. Se as palavras de seus supostos amigos já foram difíceis de ouvir, o silêncio de Deus se torna então absolutamente intolerável. Só no capítulo 38 do livro é que Deus por fim quebra o silêncio, por mais longo que tenha sido. Mesmo que fosse por alguns meses, tente imaginar a situação. Você se tornou o objeto das acusações de supostos amigos e os céus são de chumbo enquanto suplica respostas do Todo-Poderoso, que permanece misteriosamente mudo. Você não recebe qualquer consolo. Tudo é tão injusto; você não fez nada para merecer tanta angústia.

Faça uma pausa e reflita sobre o sofrimento dele, lembrando que Jó nada fizera para merecer essa dor insuportável. Se fosse você, como teria reagido?

* Dia a dia com os heróis da fé – Dr. Charles Swindoll

Nenhum comentário:

Postar um comentário