VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

29 de ago de 2013

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 6, dia 9)

Provérbios 29-31


Provérbios 29

 (1) O HOMEM que muitas vezes repreendido endurece a cerviz, de repente será destruído sem que haja remédio. (2) Quando os justos se engrandecem, o povo se alegra, mas quando o ímpio domina, o povo geme. (3) O homem que ama a sabedoria alegra a seu pai, mas o companheiro de prostitutas desperdiça os bens. (4) O rei com juízo sustém a terra, mas o amigo de peitas a transtorna. (5) O homem que lisonjeia o seu próximo arma uma rede aos seus passos. (6) Na transgressão do homem mau há laço, mas o justo jubila e se alegra. (7) O justo se informa da causa dos pobres, mas o ímpio nem sequer toma conhecimento. (8) Os homens escarnecedores alvoroçam a cidade, mas os sábios desviam a ira. (9) O homem sábio que pleiteia com o tolo, quer se zangue, quer se ria, não terá descanso. (10) Os homens sanguinários odeiam ao sincero, mas os justos procuram o seu bem. (11) O tolo revela todo o seu pensamento, mas o sábio o guarda até o fim. (12) O governador que dá atenção às palavras mentirosas, achará que todos os seus servos são ímpios. (13) O pobre e o usurário se encontram; o SENHOR ilumina os olhos de ambos. (14) O rei que julga os pobres conforme a verdade firmará o seu trono para sempre. (15) A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe. (16) Quando os ímpios se multiplicam, multiplicam-se as transgressões, mas os justos verão a sua queda. (17) Castiga o teu filho, e te dará descanso; e dará delícias à tua alma. (18) Não havendo profecia, o povo perece; porém o que guarda a lei, esse é bem-aventurado. (19) O servo não se emendará com palavras, porque, ainda que entenda, todavia não atenderá. (20) Tens visto um homem precipitado no falar? Maior esperança há para um tolo do que para ele. (21) Quando alguém cria o seu servo com mimos desde a meninice, por fim ele tornar-se-á seu filho. (22) O homem irascível levanta contendas; e o furioso multiplica as transgressões. (23) A soberba do homem o abaterá, mas a honra sustentará o humilde de espírito. (24) O que tem parte com o ladrão odeia a sua própria alma; ouve maldições, e não o denuncia. (25) O temor do homem armará laços, mas o que confia no SENHOR será posto em alto retiro. (26) Muitos buscam o favor do poderoso, mas o juízo de cada um vem do SENHOR. (27) Abominação é, para os justos, o homem iníquo; mas abominação é, para o iníquo, o de retos caminhos.

Provérbios 30

 (1) PALAVRAS de Agur, filho de Jaque, o masaíta, que proferiu este homem a Itiel, a Itiel e a Ucal: (2) Na verdade eu sou o mais bruto dos homens, nem mesmo tenho o conhecimento de homem. (3) Nem aprendi a sabedoria, nem tenho o conhecimento do santo. (4) Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas numa roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome? E qual é o nome de seu filho, se é que o sabes? (5) Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. (6) Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso. (7) Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra: (8) Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume; (9) Para que, porventura, estando farto não te negue, e venha a dizer: Quem é o SENHOR? ou que, empobrecendo, não venha a furtar, e tome o nome de Deus em vão. (10) Não acuses o servo diante de seu senhor, para que não te amaldiçoe e tu fiques o culpado. (11) Há uma geração que amaldiçoa a seu pai, e que não bendiz a sua mãe. (12) Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia. (13) Há uma geração cujos olhos são altivos, e as suas pálpebras são sempre levantadas. (14) Há uma geração cujos dentes são espadas, e cujas queixadas são facas, para consumirem da terra os aflitos, e os necessitados dentre os homens. (15) A sanguessuga tem duas filhas: Dá e Dá. Estas três coisas nunca se fartam; e com a quarta, nunca dizem: Basta! (16) A sepultura; a madre estéril; a terra que não se farta de água; e o fogo; nunca dizem: Basta! (17) Os olhos que zombam do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos do ribeiro os arrancarão e os filhotes da águia os comerão. (18) Estas três coisas me maravilham; e quatro há que não conheço: (19) O caminho da águia no ar; o caminho da cobra na penha; o caminho do navio no meio do mar; e o caminho do homem com uma virgem. (20) O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal! (21) Por três coisas se alvoroça a terra; e por quatro que não pode suportar: (22) Pelo servo, quando reina; e pelo tolo, quando vive na fartura; (23) Pela mulher odiosa, quando é casada; e pela serva, quando fica herdeira da sua senhora. (24) Estas quatro coisas são das menores da terra, porém bem providas de sabedoria: (25) As formigas não são um povo forte; todavia no verão preparam a sua comida; (26) Os coelhos são um povo débil; e contudo, põem a sua casa na rocha; (27) Os gafanhotos não têm rei; e contudo todos saem, e em bandos se repartem; (28) A aranha se pendura com as mãos, e está nos palácios dos reis. (29) Estes três têm um bom andar, e quatro passeiam airosamente; (30) O leão, o mais forte entre os animais, que não foge de nada; (31) O galgo; o bode também; e o rei a quem não se pode resistir. (32) Se procedeste loucamente, exaltando-te, e se planejaste o mal, leva a mão à boca; (33) Porque o mexer do leite produz manteiga, o espremer do nariz produz sangue; assim o forçar da ira produz contenda.

Provérbios 31

 (1) PALAVRAS do rei Lemuel, a profecia que lhe ensinou a sua mãe. (2) Como, filho meu? e como, filho do meu ventre? e como, filho dos meus votos? (3) Não dês às mulheres a tua força, nem os teus caminhos ao que destrói os reis. (4) Não é próprio dos reis, ó Lemuel, não é próprio dos reis beber vinho, nem dos príncipes o desejar bebida forte; (5) Para que bebendo, se esqueçam da lei, e pervertam o direito de todos os aflitos. (6) Dai bebida forte ao que está prestes a perecer, e o vinho aos amargurados de espírito. (7) Que beba, e esqueça da sua pobreza, e da sua miséria não se lembre mais. (8) Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição. (9) Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados. (10) Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis. (11) O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo. (12) Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida. (13) Busca lã e linho, e trabalha de boa vontade com suas mãos. (14) Como o navio mercante, ela traz de longe o seu pão. (15) Levanta-se, mesmo à noite, para dar de comer aos da casa, e distribuir a tarefa das servas. (16) Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com o fruto de suas mãos. (17) Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços. (18) Vê que é boa a sua mercadoria; e a sua lâmpada não se apaga de noite. (19) Estende as suas mãos ao fuso, e suas mãos pegam na roca. (20) Abre a sua mão ao pobre, e estende as suas mãos ao necessitado. (21) Não teme a neve na sua casa, porque toda a sua família está vestida de escarlata. (22) Faz para si cobertas de tapeçaria; seu vestido é de seda e de púrpura. (23) Seu marido é conhecido nas portas, e assenta-se entre os anciãos da terra. (24) Faz panos de linho fino e vende-os, e entrega cintos aos mercadores. (25) A força e a honra são seu vestido, e se alegrará com o dia futuro. (26) Abre a sua boca com sabedoria, e a lei da beneficência está na sua língua. (27) Está atenta ao andamento da casa, e não come o pão da preguiça. (28) Levantam-se seus filhos e chamam-na bem-aventurada; seu marido também, e ele a louva. (29) Muitas filhas têm procedido virtuosamente, mas tu és, de todas, a mais excelente! (30) Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa sim será louvada. (31) Dai-lhe do fruto das suas mãos, e deixe o seu próprio trabalho louvá-la nas portas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário