VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

30 de set de 2013

OBREIROS EXEMPLARES

Leitura: I Tess. 1:1-10
Texto: 1:2-10
1. Que tipo de igreja queres que tua igreja seja? A esta pergunta seriam dadas respostas semelhantes mas as ações divergiriam consideravelmente.
2. Assim sendo, nossa igreja será o produto daquilo que efetivamente produzirmos.
3. A igreja de Tessalonica era bem sucedida porque os Tessalonicenses eram bem sucedidos espiritualmente. Tinham um objetivo comum (construir uma igreja exemplar). Paulo os preparou para isto (recursos providos). eles uniram sua ações, talentos, etc. (desenvolvimento do plano) para alcançar tal objetivo (meta). OBS. Mesmo esquema empregado em área administrativa- Recurso/plano/objetivo.
4. Resultante disso Paulo os apresenta como exemplos: o crente é básico neste processo, por isso:
PROPOSIÇÃO: NOS DEVEMOS IMITAR OS OBREIROS EXEMPLARES DE TESSALONICA
Por que? Encontramos neste texto 3 RAZÕES porque devemos imitar os obreiros exemplares de Tessalonica.
I. ELES ERAM CRENTES CONSAGRADOS v. 3
(Como Sabemos?)
   A. TRABALHADORES INSPIRADOS POR SUA FÉ - v.3 "obra de vossa fé"
      1. Sua fé os transformou em trabalhadores (obs. ordem, primeiro fé, depois obras).
      2. Fé sem obras é morta. Fé verdadeira deve produzir frutos.
      3. Este era um trabalho de apreciação, de retribuição - possivelmente agradável, deleitoso (Ilustr. Inicio do trabalho numa firma nova).
     4. Aplicação:
         (1) Carecemos de uma estima prática (estima em ação), i.e. temos falta de vontade de trabalhar para Deus como quem é imensamente grato.
         (2) Nossa fé deve nos transformar pelo menos em trabalhadores.
         (3) Obra é a manifestação de nossa fé; Tens Fé? Mostre sua manifestação, suas obras.
   B. LABUTADORES INSPIRADOS POR SEU AMOR - v. 3 "trabalho da caridade (agape)".
      1. Eles não somente trabalhavam como resultado básico e natural da fé verdadeira, mas
      2. Sugestão do termo aqui empregado é de que labutavam arduamente, ao ponto de exaustão...
      3. Isto porque eram inspirados por amor (verdadeiro, genuíno amor Cristão)
      4. Aplic.
         (1) É hora de termos amor Cristão verdadeiro e labutarmos juntos;
         (2) Se tivermos amor real, este resultara em labuta. Obs. Eles não eram apenas trabalhadores mas labutadores; por isso não se trata de mera coincidência que eles eram grandes obreiros ...
   C. GUERREIROS INSPIRADOS POR SUA ESPERANÇA - v. 3, "paciência da esperança...."
      1. Muitos crentes hoje sucumbem diante de pressões, risco de perda de prestigio, oposição, amigos, trabalho, etc.
      2. Mas os Tessalonicenses tiveram problemas também (e serios cf. v. 6), todavia tiveram "paciência-brava" (figurativamente, a habilidade de permanecer debaixo das piores circunstâncias como se estivessem em cima).
      3. A fonte deste vigor = (lit. v. 3, esperança Do Senhor Jesus Cristo).
      4. Aplicação:
         (1) Esperança do Senhor Jesus Cristo deveria ser suficiente para transformar-nos em guerreiros também (Hino 466, Cantor Cristão);
         (2) Nada deve nos deter ou diminuir nosso fervor (Rom. 8:35-37);
         (3) Se querem que sua igreja seja uma copia de Tess., vocês têm diante de si mesmo um grande desafio, i.e. imitar seus crentes!
II. ELES ERAM CRENTES CONFIANTES - v. 5
   1. Falta de confiança é talvez causa da ineficiência (não auto suficiência) dos crentes. Falta de convicção, poder espiritual...
   2. Confiança implantada pelo Espírito Santo ("muita certeza")
Veja o porque eram confiantes:
   A. RENDIÇÃO A SALVAÇÃO - v.5
      1. Sob persuasão que a mensagem era divina, eles aceitaram a verdade sem restrições - "muita certeza"
   B. RENDIÇÃO AO CRESCIMENTO ESPIRITUAL - v. 6,7
      1. Na realidade eles copiavam os líderes nos mínimos detalhes (transliteração do termo grego: mímica).
      2. Aplicação:
         (1) Que exemplo a ser seguido...
         (2) Esta copia detalhada não deixava lugar para muitos males como a inveja, ciúme, vicio, indiferença etc., mas sim punham este crescimento em ação (I Pedro 3:15).
   C. RENDIÇÃO AO ESPÍRITO - v. 6
      1. Note o que acontece quando o crente esta entregue (rendido) ao Espírito Santo - Fil. 1:6; Gal. 4:6.
      2. Gozo, alegria inspirada pelo residente Espírito Santo; mesmo em tribulação das mais severas TODO o crente pode e deve desfrutar desta alegria.
      3. Aplicação:
         (1) Vamos tirar proveito deste potencial que temos para confiança;
         (2) E trabalhar com confiança e alegria, não importando quais sejam as circunstâncias.
III. ELES ERAM CRENTES CONSTANTES - v. 8
De acordo com os "relatórios" que chegavam a Paulo em Corinto através de viajantes, eles eram constantes (uma qualidade rara):
   A. NA PREGAÇÃO DA PALAVRA v.8
      1. Eram como um "trampolim" - "vos", coletivamente
      2. "Soavam" a Palavra como o som retumbante da trombeta; uma evidencia de entusiasmo.
      3. Aplicação:
         (1) É esta nossa característica como igreja, coletivamente?
         (2) Somos conhecidos por estas qualidades?
   B. NA APRESENTAÇÃO DE SEUS TESTEMUNHOS - v. 8,9
      1. Abertamente, sem reservas ou vergonha - v. 8
      2. Note: Conversão, resultado da pregação; tal pregação demandava um ação por parte dos ouvintes.
      3. Explicar significado de "conversão" (ensinamento literal do versículo "face a face").
      4. Aplicação:
         (1) Se nada mais consegues falar, fale seu testemunho de salvação.
         (2) Somos Suas testemunhas, porque sabemos que Cristo realmente salva pois nos salvou...
   C. NA APRESENTAÇÃO DE SEUS NOVOS PROPÓSITOS - V. 9,10
      1. seu cristianismo não era um "comodo-crentismo". Não eram salvos só para escapar do inferno.
      2. Salvação é primeiramente doxológica e secundariamente soteriológica.
      3. "Para servir": lit. tornar-se um escravo; aquele que rende sua vontade a vontade do seu Mestre, e
      4. "Esperar" o Filho (não a ira futura; pre-trib.)
      5. Aplic.
         (1) Enquanto espera o Filho, o crente serve.
         (2) Para que fostes salvo? Desfrutar melhor a vida, escapar o inferno, ou para "servir" enquanto esperas por Cristo.
CONCLUSÃO:
1. Se queremos ter igrejas animadas, deveremos ser animados nós mesmos; a igreja somos nos, conseqüentemente ela será o que somos!
2. Devemos imitar (como mímica) os competentes obreiros de Tessalonica porque: A. Eles eram crentes consagrados, B. Eles eram crentes confiantes, C. Eles eram crentes constantes.
(o pregador poderá suprir suas proporias ilustrações)
Pr.Valdir Silveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário