VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

28 de out de 2013

DEVOCIONAL BOA SEMENTE


O CABO QUE MUDOU DE NOME

Faz cessar a tormenta, e acalmam-se as suas ondas. Então se alegram, porque se aquietaram; assim os leva ao seu porto desejado
(Salmo 107:29-30).


Quando o navegador português Bartolomeu Dias se tornou o primeiro homem a chegar ao extremo sul da África em 1488, ali se deparou com violentas tempestades. Então nomeou as últimas montanhas da costa ocidental da África do Sul de “Cabo das Tormentas”.

O governante daquela região, rei João II de Portugal, viu a situação por um prisma diferente. Ele tinha uma perspectiva mais otimista, uma vez que Dias descobriu que podia alcançar a Índia pelo mar. Por isso mudou o nome para “Cabo da Boa Esperança”.

Outro ponto de vista, outra perspectiva nova e positiva pode ser encontrada nas epistolas de Paulo. Essa mudança se relaciona à visão cristã do futuro e está baseada na morte expiatória, na ressurreição e ascensão do Senhor Jesus Cristo.

Quando Paulo fala dos cristãos que já não estão mais vivos, ele não usa a expressão “os mortos”, mas “os que dormiram em Cristo”. E quando pensa em sua própria vida próxima ao fim, não usa a palavra “morrer”, mas diz que comparado a esta vida, é muito melhor partir e estar com Cristo (1 Tessalonicenses 4:13-14; Filipenses 1:23). 

Assim como na África, o velho nome do cabo lembrava as tempestades e os naufrágios, trazendo medo ao coração, enquanto o novo nome falava de esperança, assim também acontece com o cristão. Por meio de Sua morte, Cristo “participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” (Hebreus 2:14-15).

Portanto, a morte, que antes nos trazia sentimentos de pavor e escravidão, “pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus” passou a ser apenas um local de travessia rumo à “esperança da glória” (Filipenses 3:8; Romanos 5:2).

http://devocionalboasemente.blogspot.com.br/2013/10/o-cabo-que-mudou-de-nome.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário