VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

15 de dez de 2013

COMO EVITAR MAL ENTENDIDOS EM NOSSAS RELAÇÕES MINISTERIAIS COM A IGREJA

Texto: I Coríntios 4:1-7
Introdução:
Os servos de Deus que genuinamente desejam fazer Sua vontade encontrarão oposição de diferentes formas. Para evitar a oposição que vem de mal entendidos, é necessário que a Escritura fale tanto ao coração do líder, como da igreja (do povo)
I.ENSINANDO À IGREJA QUE NOS DEVEMOS A CRISTO (VV 1-2)
   a-como servos. No grego a palavra usada aqui para servos denota o sentido daquele escravo que ia no porão (parte não visível do barco) remando para que este navegasse.
   b-Como administradores. No grego, aquele que dirigia e conduzia a casa que era propriedade de outro. Era eleito por sua fidelidade ao amo.
II.ENSINANDO À IGREJA QUE É DEUS QUEM JULGA AS INTENÇÕES (VV 3-5)
   a-Não os crentes.
   b-Não um tribunal humano.
   c-Não eu mesmo (porque a consciência pode endurecer-se).
III.ENSINANDO À IGREJA UM EXEMPLO DE HUMILDADE (VV 6-7)
   a-Como amostra do amor que lhe temos.
   b-Para evitar que outros se encham de orgulho.
   c-Porque temos recebido tudo de Deus.
CONCLUSÃO
A opinião do Senhor é a que mais deve importar. 
A Ele devemos nosso respeito. Ele é quem julgará os Seus servos.
Pr. Carlos A. Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário