VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

31 de jan de 2014

DEVOCIONAL PARA HOJE 31/01/2014

VERSÍCULO:
   Pois tu, Senhor, és bom e compassivo; abundante em benignidade para com todos os que te invocam.  -- Salmos 86:5

PENSAMENTO:
   Perdão é uma bênção muito doce.  Mas Deus faz mais do que perdoar! Ele limpa e esquece.  Seu amor não é medido ou dado em pequenas porções.  Ele derrama seu amor em nós se O buscamos genuinamente como nosso Deus e Pai.  Então, clamemos e peçamos perdão de Deus e louvemos o grande e santo nome do Todo Poderoso, sabendo que nosso Pai anseia nos abençoar com bondade, misericórdia e amor.

ORAÇÃO:
   Ó Precioso Pai, clamo ao Senhor querendo que o Senhor saiba quão  importante seu amor e perdão são na minha vida.  Obrigado por enviar Jesus para mostrar seu amor e pagar a dívida do meu pecado. Ajude-me a viver hoje como seu filho: que outros possam ver minha  alegria e minha paixão para o Senhor ao tentar viver para Sua  glória.  No nome do meu Salvador, Jesus, eu oro.  Amém.
 
http://www.iluminalma.com/dph/4/0131.html

30 de jan de 2014

PREVILÉGIOS DE SER CRENTE EM JESUS CRISTO

Introdução: Todos os crentes, salvos em Jesus Cristo, tem previlégios que o mundo não tem, exemplos:
I. Ser filho de Deus - João 1:12, Gl.3:26 Somos adotados por Deus através de Cristo.
II. Ter perdão de pecados - Iª João 1:9; 2:1 Se confessarmos, Jesus, é a propiciação dos nossos pecados.
III. Ser o templo de Deus - Iª Cor. 3:16,17; 6:18,19 O Espírito de Deus habita nos seus servos.
IV. Ter segurança de salvação - Rm. 8:38, 39; Jo.3:36; 5:24; 10:28; Gal.4:6,7 Devemos perseverar na salvação, não para salvação como alguns dizem.

Pr. Josimar Alves Ribeiro

A BELEZA DE DENTRO

"Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei, porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração." I Samuel 16:7
Não há muito tempo atrás ouvi falar de uma experiência realizada por um maestro da Orquestra Sinfônica de St. Louis.
Ele quis ver se pessoas apreciariam bela música se ela viesse de uma fonte pouco usual. Então, vestiu-se como um mendigo e saiu às ruas a tocar o seu violino em uma esquina secreta. O resultado? As pessoas adoraram-na. De fato, ele recebeu muitas doações durante o pouco tempo que tocara; ele supôs que se continuasse a tocar ele faturaria muitos dólares.
Embora ele aparentasse ser um "João-ninguém", os pedestres foram movidos pela música vinda de seu coração. Ele provou que as aparências enganam. É o interior que conta!
Foi este o erro de Samuel ao considerar enquanto estava à procura de um novo rei para reinar sobre Israel. O Senhor dissera-lhe que encontraria a sua escolha entre os filhos de Jessé. Assim, ao ver o primeiro filho de Jessé, muito formoso à vista, Samuel supôs que certamente era ele. Porém, o Senhor disse a Samuel: "Não olhes a sua aparência, ou a sua estatura, porque eu o tenho recusado. Porque o Senhor não vê como vê o homem; o homem olha para o exterior, o Senhor porém olha para o coração." Faltava a Eliabe as qualidades internas requeridas por Deus.
Deus usa pessoas que possuem uma beleza e força intrínsecos, mesmo que lhes falte beleza física. Ao se viver de acordo com a Sua Palavra e ao render-se a Cristo, nós podemos desenvolver uma disposição vitoriosa e uma personalidade graciosa. É a beleza de dentro que importa no trabalho de Deus.

A PROCURA DE PAZ

Ezequiel 7:25
Introdução: A paz e a felicidade é o motivo principal pelo qual o ser humano trabalha, luta e sofre dia a dia.
Todo ser humano anda à procura de um lugar onde só haja paz, só que não encontra. Vamos ver porque.
Lucas 2:14 - O mundo busca a paz e não encontra por que?
Ao lermos a passagem sobre o nascimento de Jesus, achamos a resposta; porém os anjos disseram que a paz é dada aos homens a quem o Senhor quer bem (Rom.5:1,2).
Na expectativa de buscar e achar paz, o homem encontra aflição, porque a paz está em Cristo. (João 16:33). Paulo diz que a paz é Cristo.
Quantas pessoas não desfrutam da vida que têm, porque não existe paz em seu ser. O ser humano busca a paz e não encontra porque procura no lugar errado (Rom.8:16).
Isaias 48:18 diz que se o homem tivesse dado ouvido à Deus, ele teria paz como o manancial de um rio que jorra sem parar.
Jesus ao encontrar-se com a mulher Samaritana viu que faltava para ela alguma coisa. Era paz a qual para ser encontrada ela teria que conhecer a Jesus como Senhor da sua vida. Porque Ele disse: "de mim sai a fonte que leva à vida eterna".
Muitos desesperados perguntam: mas quando e onde vou encontrar um pouco de paz? Ele não quer muito, só um pouco.
A humanidade não encontra paz e felicidade se ele não tiver primeiro a paz de espírito, porque se tivermos o espírito sobrecarregado, jamais encontraremos paz.
Isaías diz que alguém para nos dar a paz foi traspassado de dor, sofreu para que nos alegrássemos (Isaías 53:36).
Jesus foi, mas nos deixou o caminho que conduz à verdadeira paz (Atos 10:36). Porque é dEle que excede todo o entendimento, paz, tranquilidade e felicidade, porém, se apartarmos dEle jamais teremos paz em nossa vida. (Filipenses 4:7).
Conclusão: Portanto meu irmão eis ai o apelo que faço a você, segura nas mãos de Cristo e jamais se aparte da Sua palavra; e você encontrará a verdadeira paz. Pois esta é a promessa de Deus.

Pr. Nevalde Teixeira de Abreu

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 9, dia 30)

Daniel 11-12

Daniel 11

 (1) EU, pois, no primeiro ano de Dario, o medo, levantei-me para animá-lo e fortalecê-lo. (2) E agora te declararei a verdade: Eis que ainda três reis estarão na Pérsia, e o quarto acumulará grandes riquezas, mais do que todos; e, tornando-se forte, por suas riquezas, suscitará a todos contra o reino da Grécia. (3) Depois se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver. (4) Mas, estando ele em pé, o seu reino será quebrado, e será repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o seu domínio com que reinou, porque o seu reino será arrancado, e passará a outros que não eles. (5) E será forte o rei do sul; mas um dos seus príncipes será mais forte do que ele, e reinará poderosamente; seu domínio será grande. (6) Mas, ao fim de alguns anos, eles se aliarão; e a filha do rei do sul virá ao rei do norte para fazer um tratado; mas ela não reterá a força do seu braço; nem ele persistirá, nem o seu braço, porque ela será entregue, e os que a tiverem trazido, e seu pai, e o que a fortalecia naqueles tempos. (7) Mas de um renovo das raízes dela um se levantará em seu lugar, e virá com o exército, e entrará na fortaleza do rei do norte, e operará contra eles, e prevalecerá. (8) Também os seus deuses com as suas imagens de fundição, com os seus objetos preciosos de prata e ouro, levará cativos para o Egito; e por alguns anos ele persistirá contra o rei do norte. (9) E entrará no reino o rei do sul, e tornará para a sua terra. (10) Mas seus filhos intervirão e reunirão uma multidão de grandes forças; e virá apressadamente e inundará, e passará adiante; e, voltando levará a guerra até a sua fortaleza. (11) Então o rei do sul se exasperará, e sairá, e pelejará contra ele, contra o rei do norte; este porá em campo grande multidão, e aquela multidão será entregue na sua mão. (12) A multidão será tirada e o seu coração se elevará; mas ainda que derrubará muitos milhares, contudo não prevalecerá. (13) Porque o rei do norte tornará, e porá em campo uma multidão maior do que a primeira, e ao fim dos tempos, isto é, de anos, virá à pressa com grande exército e com muitas riquezas. (14) E, naqueles tempos, muitos se levantarão contra o rei do sul; e os violentos dentre o teu povo se levantarão para cumprir a visão, mas eles cairão. (15) E o rei do norte virá, e levantará baluartes, e tomará a cidade forte; e os braços do sul não poderão resistir, nem o seu povo escolhido, pois não haverá força para resistir. (16) O que, pois, há de vir contra ele fará segundo a sua vontade, e ninguém poderá resistir diante dele; e estará na terra gloriosa, e por sua mão haverá destruição. (17) E dirigirá o seu rosto, para vir com a potência de todo o seu reino, e com ele os retos, assim ele fará; e lhe dará uma filha das mulheres, para corrompê-la; ela, porém, não subsistirá, nem será para ele. (18) Depois virará o seu rosto para as ilhas, e tomará muitas; mas um príncipe fará cessar o seu opróbrio contra ele, e ainda fará recair sobre ele o seu opróbrio. (19) Virará então o seu rosto para as fortalezas da sua própria terra, mas tropeçará, e cairá, e não será achado. (20) E em seu lugar se levantará quem fará passar um arrecadador pela glória do reino; mas em poucos dias será quebrantado, e isto sem ira e sem batalha. (21) Depois se levantará em seu lugar um homem vil, ao qual não tinham dado a dignidade real; mas ele virá caladamente, e tomará o reino com engano. (22) E com os braços de uma inundação serão varridos de diante dele; e serão quebrantados, como também o príncipe da aliança. (23) E, depois do concerto com ele, usará de engano; e subirá, e se tornará forte com pouca gente. (24) Virá também caladamente aos lugares mais férteis da província, e fará o que nunca fizeram seus pais, nem os pais de seus pais; repartirá entre eles a presa e os despojos, e os bens, e formará os seus projetos contra as fortalezas, mas por certo tempo. (25) E suscitará a sua força e a sua coragem contra o rei do sul com um grande exército; e o rei do sul se envolverá na guerra com um grande e mui poderoso exército; mas não subsistirá, porque maquinarão projetos contra ele. (26) E os que comerem os seus alimentos o destruirão; e o exército dele será arrasado, e cairão muitos mortos. (27) Também estes dois reis terão o coração atento para fazerem o mal, e a uma mesma mesa falarão a mentira; mas isso não prosperará, porque ainda verá o fim no tempo determinado. (28) Então tornará para a sua terra com muitos bens, e o seu coração será contra a santa aliança; e fará o que lhe aprouver, e tornará para a sua terra. (29) No tempo determinado tornará a vir em direção do sul; mas não será na última vez como foi na primeira. (30) Porque virão contra ele navios de Quitim, que lhe causarão tristeza; e voltará, e se indignará contra a santa aliança, e fará o que lhe aprouver; voltará e atenderá aos que tiverem abandonado a santa aliança. (31) E braços serão colocados sobre ele, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o sacrifício contínuo, estabelecendo abominação desoladora. (32) E aos violadores da aliança ele com lisonjas perverterá, mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e fará proezas. (33) E os entendidos entre o povo ensinarão a muitos; todavia cairão pela espada, e pelo fogo, e pelo cativeiro, e pelo roubo, por muitos dias. (34) E, caindo eles, serão ajudados com pequeno socorro; mas muitos se ajuntarão a eles com lisonjas. (35) E alguns dos entendidos cairão, para serem provados, purificados, e embranquecidos, até ao fim do tempo, porque será ainda para o tempo determinado. (36) E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito. (37) E não terá respeito ao Deus de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a deus algum, porque sobre tudo se engrandecerá. (38) Mas em seu lugar honrará a um deus das forças; e a um deus a quem seus pais não conheceram honrará com ouro, e com prata, e com pedras preciosas, e com coisas agradáveis. (39) Com o auxílio de um deus estranho agirá contra as poderosas fortalezas; aos que o reconhecerem multiplicará a honra, e os fará reinar sobre muitos, e repartirá a terra por preço. (40) E, no fim do tempo, o rei do sul lutará com ele, e o rei do norte se levantará contra ele com carros, e com cavaleiros, e com muitos navios; e entrará nas suas terras e as inundará, e passará. (41) E entrará na terra gloriosa, e muitos países cairão, mas da sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e os chefes dos filhos de Amom. (42) E estenderá a sua mão contra os países, e a terra do Egito não escapará. (43) E apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata e de todas as coisas preciosas do Egito; e os líbios e os etíopes o seguirão. (44) Mas os rumores do oriente e do norte o espantarão; e sairá com grande furor, para destruir e extirpar a muitos. (45) E armará as tendas do seu palácio entre o mar grande e o monte santo e glorioso; mas chegará ao seu fim, e não haverá quem o socorra.

Daniel 12

 (1) E NAQUELE tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. (2) E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. (3) Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente. (4) E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará. (5) Então eu, Daniel, olhei, e eis que estavam em pé outros dois, um deste lado, à beira do rio, e o outro do outro lado, à beira do rio. (6) E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: Quando será o fim destas maravilhas? (7) E ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, o qual levantou ao céu a sua mão direita e a sua mão esquerda, e jurou por aquele que vive eternamente que isso seria para um tempo, tempos e metade do tempo, e quando tiverem acabado de espalhar o poder do povo santo, todas estas coisas serão cumpridas. (8) Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso eu disse: Senhor meu, qual será o fim destas coisas? (9) E ele disse: Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim. (10) Muitos serão purificados, e embranquecidos, e provados; mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão. (11) E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. (12) Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias. (13) Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias.

DEVOCIONAL PARA HOJE 30/01/2014

VERSÍCULO:
   com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,  -- Efésios 4:2

PENSAMENTO:
   "Quer dizer que tenho que agüentar aquilo!?"  Há pessoas sobre  as quais o velho ditado é verdadeiro:  "Eles são a areia da qual fazemos nossa pérola."  Mas nosso grande exemplo neste desafio é  Jesus.  Pense no que ele teve que agüentar dos seus 12 discípulos. Lembre-se como a paciência e bondade dele os transformou.  Podemos  fazer menos?

ORAÇÃO:
   Dá-me a força e paciência, ó Deus, que possa ser amoroso, gentil  e paciente com outros como Jesus foi com pessoas durante seu ministério aqui na terra e como o Senhor tem sido comigo. No nome  de Jesus, meu Senhor e herói eu oro.  Amém.

 
 http://www.iluminalma.com/dph/4/0130.html

29 de jan de 2014

COLHEITA JUSTA

Uma das mais profundas tragédias numa sociedade permissiva é a falta de ligar comportamento à consequências. Através dos tenros anos que tanto impressionam uma criança, os pais que tanto amam seus filhos, aparecem determinados a interver para vedar suas crianças de colher os resultados dos seus comportamentos. Assim, esta lição valiosa que poderia ter ocorrido, é perdida.
É possível que um jovem entra em sua vida adulta sem saber que cada coisa que faz tem um efeito direto sobre o seu futuro - isto é que comportamento irresponsável eventualmente produz tristeza e dor. Tal pessoa consegue seu primeiro emprego, e chega atrasada no serviço três vezes na primeira semana, então, quando ela é demitida, ou repreendida com uma linguagem áspera, ela fica magoada e frustada.
Foi a primeira vez em sua vida que mamãe, ou papai não poderia vir correndo para socorrê-la das consequências desagradáveis. (Muitos pais ainda tentam proteger seus filhos adultos, mesmo depois que saem do lar, e moram em suas próprias casas.) Esta super proteção produz aleijados emocionais que muita vezes desenvolvem características permanentes de dependência, e ficam adolescentes permanentes.
O melhor procedimento, é de deixar seus filhos encarar a responsabilidade apropriada para as suas idades, o que vai levá-los a saborear a armagura ocasional que a irresponsabilidade traz.
 
Pr. Wayne Harkins

CAPACITAÇÃO VINDA DE DEUS

"Então se virou o Senhor para ele, e disse: Vai nessa tua força, e livra Israel da mão dos midianitas; porventura não te enviei eu?" Juízes 6:14
O autor Gary Inrig conta uma fascinante história de um homem que ao ir a um psiquiatra reclamou de um complexo de inferioridade. O médico o escutou por algum tempo então, deu-lhe uma boa e uma má notícia: "A boa notícia," disse o médico, "é que você não tem um complexo; a má é que - você é inferior!"
Agora, Gideão certamente aparentava ser inferior através das indicações exteriores. Ele não parecia ser um candidato provável para liderança nacional quando o Senhor primeiramente falou a ele. Amedrontado com os medianitas, ele tentou ficar sem ser percebido enquanto estava malhando o trigo no lagar. Deveras, não estava em seus planos liderar os israelitas a uma vitória militar contra os invasores. Todavia o Senhor o chamara a uma tarefa que requeria grande coragem e liderança. O Senhor pôs de lado o protesto de inaptidão de Gideão ao dizer: "Vai nessa tua força... Não te enviei eu?" Ele capacitaria o seu servo para aquela obra. A responsabelidade de Gideão era simplesmente obedecê-Lo.
O Senhor sempre capacita os seus servos para efetuarem algo que está em um nível muito além de suas habilidades naturais. Ele tem levantado líderes de igreja efetivos e também professores de pessoas que nunca sonharam que poderiam fazer o trabalho. Por esta razão, nós não devemos permitir que sentimentos de inferioridade nos coloquem por baixo.
Deus dá muito mais valor a pessoas com talentos limitados do que Ele dá aos mais dotados. Disto você pode ter certeza: Ele tem uma posição adequada para ser preenchida por você. Peça-LHE para que Ele o ajude a ser o quer que você faça. O mesmo Deus que habilitou Gideão também o capacitará.

DEUS ASSISTE À IGREJA

"Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles." Mateus 18:20
Há duas categorias de razão para que se assista aos cultos da igreja - as boas e as más. Na coluna das más: ir a uma igreja é socialmente aceitável. Deus fica zangado quando você não vai. Você terá méritos se for. Você se sentirá melhor. Estas motivações são uma desonra para Deus, e algumas delas são mentiras diabólicas.
Na coluna das boas razões encontramos: é um comando da Palavra de Deus. Você precisa de comunhão cristã. Outros precisam do seu encorajamento. Você pode ouvir a mensagem de Deus sendo pregada e, portanto, pode ter um encontro com o Senhor Deus.
Duas úteis ilustrações para que você compreenda o assunto. Certo dia, o telefone tocou no escritório do pároco da Igreja de Washington frequentada pelo Presidente. Uma voz impaciente perguntou: "Diga-me, você acha que o Presidente comparecerá ao culto de domingo? "Bem, não posso afirmar com certeza," brandamente respondendo o pároco. "Mas com toda a certeza, nós esperamos que Deus se faça presente e nós cremos ser razão suficiente para que uma frequência bastante considerável venha à igreja.
Uma idosa senhora cuja audição e os olhos estavam bem enfraquecidos pela idade avançada, era muito assídua aos cultos, embora mal pudesse ouvir qualquer palavra durante os cultos. Todos os sábados, davam-lhe o boletim com os hinos a serem cantados e as leituras a serem feitas no domingo seguinte.
Ao conversar com um irmão da igreja, ela confessou que o que estava no boletim era praticamente tudo o que ela podia captar do culto. Então, o amigo respondeu: "Mesmo assim, como é maravilhoso vir à igreja!" Ela retrucou: "Bem, como o salmista disse "O Senhor está em Seu santo templo. Portanto, eu venho para encontrá-LO."
Lembre-se, onde duas ou três novas criaturas reúnem-se no nome de Jesus, Deus - na pessoa de Seu Filho - está sempre presente! Corramos, então, ao Seu encontro.

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 9, dia 29)

Daniel 6 e 10

Daniel 6

 (1) E PARECEU bem a Dario constituir sobre o reino cento e vinte príncipes, que estivessem sobre todo o reino; (2) E sobre eles três presidentes, dos quais Daniel era um, aos quais estes príncipes dessem conta, para que o rei não sofresse dano. (3) Então o mesmo Daniel sobrepujou a estes presidentes e príncipes; porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava constituí-lo sobre todo o reino. (4) Então os presidentes e os príncipes procuravam achar ocasião contra Daniel a respeito do reino; mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa. (5) Então estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a acharmos contra ele na lei do seu Deus. (6) Então estes presidentes e príncipes foram juntos ao rei, e disseram-lhe assim: Ó rei Dario, vive para sempre! (7) Todos os presidentes do reino, os capitães e príncipes, conselheiros e governadores, concordaram em promulgar um edito real e confirmar a proibição que qualquer que, por espaço de trinta dias, fizer uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, e não a ti, ó rei, seja lançado na cova dos leões. (8) Agora, pois, ó rei, confirma a proibição, e assina o edito, para que não seja mudado, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar. (9) Por esta razão o rei Dario assinou o edito e a proibição. (10) Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer. (11) Então aqueles homens foram juntos, e acharam a Daniel orando e suplicando diante do seu Deus. (12) Então se apresentaram ao rei e, a respeito do edito real, disseram-lhe: Porventura não assinaste o edito, pelo qual todo o homem que fizesse uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, por espaço de trinta dias, e não a ti, ó rei, fosse lançado na cova dos leões? Respondeu o rei, dizendo: Esta palavra é certa, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar. (13) Então responderam ao rei, dizendo-lhe: Daniel, que é dos filhos dos cativos de Judá, não tem feito caso de ti, ó rei, nem do edito que assinaste, antes três vezes por dia faz a sua oração. (14) Ouvindo então o rei essas palavras, ficou muito penalizado, e a favor de Daniel propôs dentro do seu coração livrá-lo; e até ao pôr do sol trabalhou para salvá-lo. (15) Então aqueles homens foram juntos ao rei, e disseram-lhe: Sabe, ó rei, que é lei dos medos e dos persas que nenhum edito ou decreto, que o rei estabeleça, se pode mudar. (16) Então o rei ordenou que trouxessem a Daniel, e lançaram-no na cova dos leões. E, falando o rei, disse a Daniel: O teu Deus, a quem tu continuamente serves, ele te livrará. (17) E foi trazida uma pedra e posta sobre a boca da cova; e o rei a selou com o seu anel e com o anel dos seus senhores, para que não se mudasse a sentença acerca de Daniel. (18) Então o rei se dirigiu para o seu palácio, e passou a noite em jejum, e não deixou trazer à sua presença instrumentos de música; e fugiu dele o sono. (19) Pela manhã, ao romper do dia, levantou-se o rei, e foi com pressa à cova dos leões. (20) E, chegando-se à cova, chamou por Daniel com voz triste; e disse o rei a Daniel: Daniel, servo do Deus vivo, dar-se-ia o caso que o teu Deus, a quem tu continuamente serves, tenha podido livrar-te dos leões? (21) Então Daniel falou ao rei: Ó rei, vive para sempre! (22) O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum. (23) Então o rei muito se alegrou em si mesmo, e mandou tirar a Daniel da cova. Assim foi tirado Daniel da cova, e nenhum dano se achou nele, porque crera no seu Deus. (24) E ordenou o rei, e foram trazidos aqueles homens que tinham acusado a Daniel, e foram lançados na cova dos leões, eles, seus filhos e suas mulheres; e ainda não tinham chegado ao fundo da cova quando os leões se apoderaram deles, e lhes esmigalharam todos os ossos. (25) Então o rei Dario escreveu a todos os povos, nações e línguas que moram em toda a terra: A paz vos seja multiplicada. (26) Da minha parte é feito um decreto, pelo qual em todo o domínio do meu reino os homens tremam e temam perante o Deus de Daniel; porque ele é o Deus vivo e que permanece para sempre, e o seu reino não se pode destruir, e o seu domínio durará até o fim. (27) Ele salva, livra, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele salvou e livrou Daniel do poder dos leões. (28) Este Daniel, pois, prosperou no reinado de Dario, e no reinado de Ciro, o persa.

Daniel 10

 (1) NO terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a Daniel, cujo nome era Beltessazar; a palavra era verdadeira e envolvia grande conflito; e ele entendeu esta palavra, e tinha entendimento da visão. (2) Naqueles dias eu, Daniel, estive triste por três semanas. (3) Alimento desejável não comi, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com ungüento, até que se cumpriram as três semanas. (4) E no dia vinte e quatro do primeiro mês eu estava à borda do grande rio Hidequel; (5) E levantei os meus olhos, e olhei, e eis um homem vestido de linho, e os seus lombos cingidos com ouro fino de Ufaz; (6) E o seu corpo era como berilo, e o seu rosto parecia um relâmpago, e os seus olhos como tochas de fogo, e os seus braços e os seus pés brilhavam como bronze polido; e a voz das suas palavras era como a voz de uma multidão. (7) E só eu, Daniel, tive aquela visão. Os homens que estavam comigo não a viram; contudo caiu sobre eles um grande temor, e fugiram, escondendo-se. (8) Fiquei, pois, eu só, a contemplar esta grande visão, e não ficou força em mim; transmudou-se o meu semblante em corrupção, e não tive força alguma. (9) Contudo ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí sobre o meu rosto num profundo sono, com o meu rosto em terra. (10) E eis que certa mão me tocou, e fez com que me movesse sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos. (11) E me disse: Daniel, homem muito amado, entende as palavras que vou te dizer, e levanta-te sobre os teus pés, porque a ti sou enviado. E, falando ele comigo esta palavra, levantei-me tremendo. (12) Então me disse: Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. (13) Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia. (14) Agora vim, para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias. (15) E, falando ele comigo estas palavras, abaixei o meu rosto para a terra, e emudeci. (16) E eis que alguém, semelhante aos filhos dos homens, tocou-me os lábios; então abri a minha boca, e falei, dizendo àquele que estava em pé diante de mim: senhor meu, por causa da visão sobrevieram-me dores, e não me ficou força alguma. (17) Como, pois, pode o servo do meu senhor falar com o meu senhor? Porque, quanto a mim, desde agora não resta força em mim, e nem fôlego ficou em mim. (18) E aquele, que tinha aparência de um homem, tocou-me outra vez, e fortaleceu-me. (19) E disse: Não temas, homem muito amado, paz seja contigo; anima-te, sim, anima-te. E, falando ele comigo, fiquei fortalecido, e disse: Fala, meu senhor, porque me fortaleceste. (20) E ele disse: Sabes por que eu vim a ti? Agora, pois, tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e, saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia. (21) Mas eu te declararei o que está registrado na escritura da verdade; e ninguém há que me anime contra aqueles, senão Miguel, vosso príncipe.

DEVOCIONAL PARA HOJE 29/01/2014

VERSÍCULO:
   E ele, assentando-se, chamou os doze e lhes disse: Se alguém quer ser o primeiro, será o último e servo de todos.  -- Marcos 9:35

PENSAMENTO:
   Último?  Ninguém gosta de ser o último.  Temos dificuldade em  aceitar o segundo lugar, muito menos o último.  Jesus reverte a ordem.  A pessoa que é mais importante para ele não é a pessoa que procura o status e notoriedade.  A pessoa mais importante é como o  próprio Jesus: pronto para deixar seu lugar e status e importância  para servir.  Para Jesus, último significa primeiro em serviço e primeiro aos olhos de Deus.

ORAÇÃO:
   Magnífico Deus, meu Salvador, o Senhor fez o mundo maravilhoso  para mim e me deu seu Filho para me redimir.  Como posso agradecê-lo ou compensá-lo por sua graça e bondade?  Ajude-me a  servir outros com graça e bondade. Dê-me olhos para ver pessoas como o Senhor os vê; não julgando-os pela aparência, e sim dando valor a eles e tratando-os como Jesus o faz.  Oro no nome do Senhor  Jesus, o único que lavou os pés dos discípulos.  Amém.
 
 http://www.iluminalma.com/dph/4/0129.html

28 de jan de 2014

CELEBRIDADE

Uma certa pessoa trabalha toda a sua vida para tornar-se suficientemente famosa para ser reconhecida. Quando finalmente consegue, passa a andar de óculos escuros para que ninguém possa saber quem ela é.

QUE GRATIDÃO

O amado médico, Lucas, contou a história sobre dez homens leprosos que encontraram Jesus. Eles tinham de morar fora da cidade, longe das suas famílias e conhecidos. Jesus mandou-os apresentarem-se ao sacerdote para verificar se foram curados ou não. No caminho eles foram curados.
Só um, que era estrangeiro e samaritano, voltou a Jesus para agradecê-lo. Jesus perguntou: “Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?” E disse-lhe: “Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou,” (Lucas 17:17-19). A alma sendo salva era muito mais importante do que a cura duma terrível doença. Porque qualquer um pode ser curado mil vezes e ainda morrer sem Cristo no coração - sem esperança.
Mas aqueles nove ingratos parecem anjos em comparação a um casal do estado de Arizona, nos EUA. Uma equipe com uma ambulância e os policiais, responderam a uma chamada de emergência. Acharam um casal adormecido num carro com as portas trancadas, as janelas fechadas, e o motor ligado. Preocupados com a possibilidade de  que o casal estava morrendo com os gases venenosos do motor, eles tentaram acordar o casal batendo numa das janelas. Mas sem sucesso, um policial quebrou uma pequena janela e abriu uma das portas. O ar fresco reviveu o casal e eles sobreviveram. O casal disse aos policiais: “Obrigado, muito obrigado, vocês salvaram nossas vidas.”
Acredite ou não, em menos de duas horas o homem apareceu na delegacia de polícia e apresentou uma conta de doze dólares e quinze centavos pela pequena janela que os policiais quebraram para salvar a vida dele e da esposa. Os policiais, depois conversando com seu advogado, pagaram a conta.
Que ingratidão! É difícil de acreditar! Mas quantos são realmente ingratos. Falam agradecimentos com a boca, mas não mostram com a vida. Deus olha para o coração e sabe o que está lá. Pode-se mostrar maior ingratidão a Deus do que mostrou aquele casal à polícia. Jesus Cristo fez todo o possível para te salvar. Pagou o preço da sua salvação lá na cruz. Só um pouquinho de gratidão vai levar qualquer um a agradecê-lo com todo o coração, e aceitá-lo como Salvador e Senhor. Mas ninguém vai fazer isso se não parar e meditar em o que Jesus fez por ti pessoalmente. Que gratidão Ele merece! Tudo - Nosso coração e vida!
Pastor Edward David Cook

O CUSTO PARA SEGUIR DEUS

Custou a Abraão a disposição de sacrificar o seu único filho.
Custou a Ester arriscar a sua própria vida.
Custou a Daniel ser lançado à cova dos leões.
Custou a Sadraque, Mesaque e Abednego serem postos no forno de fogo ardente.
Custou a Estevão ser apedrejado.
Custou a Pedro a morte de mártir.
Custou a Jesus a Sua vida.
Custa alguma coisa para você?
O que aconteceria se todo cristão fosse como você?
Se cada cristão assistisse aos cultos como você, as nossas igrejas estariam cheias 3 vezes por semana?
Se cada crente desse como você dá, haveria dinheiro suficiente para pagar as contas de luz e os salários dos ministros?
Se cada cristão visitasse como você, saberia qualquer pessoa que sua igreja preocupa-se com eles?
Se cada cristão cantasse como você, você teria um culto de louvor para o dirigente conduzir?
Se cada cristão fosse tão envolvido em missões quanto você, teriam os seus missionários o suficiente em dinheiro e orações para mantê-los no campo?
Se cada cristão fosse tão amigável quanto você, algum visitante retornaria à sua igreja?
O que aconteceria se todo cristão fosse exatamente como você?

DEVERES UNS DOS OUTROS

Ameis uns aos outros — João 15:12
Não seja juiz — Rom.5:13
Sejam membros uns dos outros —
Rom.12:5
Sejam dedicados uns aos outros — Rom.12:10
Honrem uns aos outros — Rom.12:10
Morem em harmonia com os outros — Rom.12:16
Edifiquem uns aos outros — Rom.14:19
Tenham os mesmo sentir de uns para com os outros — Rom.15:5
Aceitem uns aos outros — Rom.15:7
Não leve seu irmão ao juiz — I Cor.6:6
Cuidem uns aos outros — I Cor.12:25
Servi uns aos outros em amor — Gál.5:13
Não devoreis uns aos outros — Gál.5:15
Não tenham inveja uns dos outros — Gál.5:26
Levai as cargas uns dos outros — Gál.6:2
Sejam benígnos uns para com os outros — Ef.4:32
Perdoem uns aos outros — Ef.4:32
Sujeitem uns aos outros — Ef.5:21
Não mintais uns aos outros — Col.3:9
Suportai uns aos outros — Col.3:13
Abundem em caridade uns para com os outros — I Tess.3:12
Consolem uns aos outros — I Tess.4:18
Não odieis uns aos outros — Tito 3:3
Exortem uns aos outros — Heb.3:13
Estimulem uns aos outros para fazer boas obras — Heb.10:24
Não falem mal uns dos outros — Tiago 4:11
Não queixem uns contra os outros — Tiago 5:9
Confessem suas culpas uns aos outros — Tiago 5:16
Orem uns pelos outros — Tiago 5:16
Sejam hospedeiros uns para com os outros — I Ped.4:9
Cumprimentem (saudar) uns aos outros — I Ped.5:14
Tenham comunhão uns com os outros — I João 1:7
 Pr.Carlos Hickok

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 9, dia 28)

Daniel 5 e 9


Daniel 5

 (1) O REI Belsazar deu um grande banquete a mil dos seus senhores, e bebeu vinho na presença dos mil. (2) Havendo Belsazar provado o vinho, mandou trazer os vasos de ouro e de prata, que Nabucodonosor, seu pai, tinha tirado do templo que estava em Jerusalém, para que bebessem neles o rei, os seus príncipes, as suas mulheres e concubinas. (3) Então trouxeram os vasos de ouro, que foram tirados do templo da casa de Deus, que estava em Jerusalém, e beberam neles o rei, os seus príncipes, as suas mulheres e concubinas. (4) Beberam o vinho, e deram louvores aos deuses de ouro, de prata, de bronze, de ferro, de madeira, e de pedra. (5) Na mesma hora apareceram uns dedos de mão de homem, e escreviam, defronte do castiçal, na caiadura da parede do palácio real; e o rei via a parte da mão que estava escrevendo. (6) Mudou-se então o semblante do rei, e os seus pensamentos o turbaram; as juntas dos seus lombos se relaxaram, e os seus joelhos batiam um no outro. (7) E gritou o rei com força, que se introduzissem os astrólogos, os caldeus e os adivinhadores; e falou o rei, dizendo aos sábios de Babilônia: Qualquer que ler este escrito, e me declarar a sua interpretação, será vestido de púrpura, e trará uma cadeia de ouro ao pescoço e, no reino, será o terceiro governante. (8) Então entraram todos os sábios do rei; mas não puderam ler o escrito, nem fazer saber ao rei a sua interpretação. (9) Então o rei Belsazar perturbou-se muito, e mudou-se-lhe o semblante; e os seus senhores estavam sobressaltados. (10) A rainha, por causa das palavras do rei e dos seus senhores, entrou na casa do banquete, e respondeu, dizendo: Ó rei, vive para sempre! Não te perturbem os teus pensamentos, nem se mude o teu semblante. (11) Há no teu reino um homem, no qual há o espírito dos deuses santos; e nos dias de teu pai se achou nele luz, e inteligência, e sabedoria, como a sabedoria dos deuses; e teu pai, o rei Nabucodonosor, sim, teu pai, o rei, o constituiu mestre dos magos, dos astrólogos, dos caldeus e dos adivinhadores; (12) Porquanto se achou neste Daniel um espírito excelente, e conhecimento, e entendimento, interpretando sonhos e explicando enigmas, e resolvendo dúvidas, ao qual o rei pôs o nome de Beltessazar. Chame-se, pois, agora Daniel, e ele dará a interpretação. (13) Então Daniel foi introduzido à presença do rei. Falou o rei, dizendo a Daniel: És tu aquele Daniel, um dos filhos dos cativos de Judá, que o rei, meu pai, trouxe de Judá? (14) Tenho ouvido dizer a teu respeito que o espírito dos deuses está em ti, e que em ti se acham a luz, e o entendimento e a excelente sabedoria. (15) Agora mesmo foram introduzidos à minha presença os sábios e os astrólogos, para lerem este escrito, e me fazerem saber a sua interpretação; mas não puderam dar a interpretação destas palavras. (16) Eu, porém, tenho ouvido dizer de ti que podes dar interpretação e resolver dúvidas. Agora, se puderes ler este escrito, e fazer-me saber a sua interpretação, serás vestido de púrpura, e terás cadeia de ouro ao pescoço e no reino serás o terceiro governante. (17) Então respondeu Daniel, e disse na presença do rei: As tuas dádivas fiquem contigo, e dá os teus prêmios a outro; contudo lerei ao rei o escrito, e far-lhe-ei saber a interpretação. (18) Ó rei! Deus, o Altíssimo, deu a Nabucodonosor, teu pai, o reino, e a grandeza, e a glória, e a majestade. (19) E por causa da grandeza, que lhe deu, todos os povos, nações e línguas tremiam e temiam diante dele; a quem queria matava, e a quem queria conservava em vida; e a quem queria engrandecia, e a quem queria abatia. (20) Mas quando o seu coração se exaltou, e o seu espírito se endureceu em soberba, foi derrubado do seu trono real, e passou dele a sua glória. (21) E foi tirado dentre os filhos dos homens, e o seu coração foi feito semelhante ao dos animais, e a sua morada foi com os jumentos monteses; fizeram-no comer a erva como os bois, e do orvalho do céu foi molhado o seu corpo, até que conheceu que Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre o reino dos homens, e a quem quer constitui sobre ele. (22) E tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que soubeste tudo isto. (23) E te levantaste contra o Senhor do céu, pois foram trazidos à tua presença os vasos da casa dele, e tu, os teus senhores, as tuas mulheres e as tuas concubinas, bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida, e de quem são todos os teus caminhos, a ele não glorificaste. (24) Então dele foi enviada aquela parte da mão, que escreveu este escrito. (25) Este, pois, é o escrito que se escreveu: MENE, MENE, TEQUEL, UFARSIM. (26) Esta é a interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino, e o acabou. (27) TEQUEL: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. (28) PERES: Dividido foi o teu reino, e dado aos medos e aos persas. (29) Então mandou Belsazar que vestissem a Daniel de púrpura, e que lhe pusessem uma cadeia de ouro ao pescoço, e proclamassem a respeito dele que havia de ser o terceiro no governo do seu reino. (30) Naquela noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus. (31) E Dario, o medo, ocupou o reino, sendo da idade de sessenta e dois anos.

Daniel 9

 (1) NO ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da linhagem dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus, (2) No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. (3) E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza. (4) E orei ao SENHOR meu Deus, e confessei, e disse: Ah! Senhor! Deus grande e tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; (5) Pecamos, e cometemos iniqüidades, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; (6) E não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da terra. (7) A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como hoje se vê; aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, e a todo o Israel, aos de perto e aos de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas rebeliões que cometeram contra ti. (8) Ó Senhor, a nós pertence a confusão de rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, porque pecamos contra ti. (9) Ao Senhor, nosso Deus, pertencem a misericórdia, e o perdão; pois nos rebelamos contra ele, (10) E não obedecemos à voz do SENHOR, nosso Deus, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas. (11) Sim, todo o Israel transgrediu a tua lei, desviando-se para não obedecer à tua voz; por isso a maldição e o juramento, que estão escritos na lei de Moisés, servo de Deus, se derramaram sobre nós; porque pecamos contra ele. (12) E ele confirmou a sua palavra, que falou contra nós, e contra os nossos juízes que nos julgavam, trazendo sobre nós um grande mal; porquanto debaixo de todo o céu nunca se fez como se tem feito em Jerusalém. (13) Como está escrito na lei de Moisés, todo este mal nos sobreveio; apesar disso, não suplicamos à face do SENHOR nosso Deus, para nos convertermos das nossas iniqüidades, e para nos aplicarmos à tua verdade. (14) Por isso o SENHOR vigiou sobre o mal, e o trouxe sobre nós; porque justo é o SENHOR, nosso Deus, em todas as suas obras, que fez, pois não obedecemos à sua voz. (15) Agora, pois, ó Senhor, nosso Deus, que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão poderosa, e ganhaste para ti nome, como hoje se vê; temos pecado, temos procedido impiamente. (16) Ó Senhor, segundo todas as tuas justiças, aparte-se a tua ira e o teu furor da tua cidade de Jerusalém, do teu santo monte; porque por causa dos nossos pecados, e por causa das iniqüidades de nossos pais, tornou-se Jerusalém e o teu povo um opróbrio para todos os que estão em redor de nós. (17) Agora, pois, ó Deus nosso, ouve a oração do teu servo, e as suas súplicas, e sobre o teu santuário assolado faze resplandecer o teu rosto, por amor do Senhor. (18) Inclina, ó Deus meu, os teus ouvidos, e ouve; abre os teus olhos, e olha para a nossa desolação, e para a cidade que é chamada pelo teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. (19) Ó Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e age sem tardar; por amor de ti mesmo, ó Deus meu; porque a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome. (20) Estando eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do SENHOR, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus, (21) Estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. (22) Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido. (23) No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão. (24) Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. (25) Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. (26) E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. (27) E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.

DEVOCIONAL PARA HOJE 28/01/2014

VERSÍCULO:
   Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. -- João 4:24

PENSAMENTO:
   Louvor genuíno é um presente.  Sendo Deus espírito, sendo Deus santo, não podemos chegar até ele sem o presente e a bênção do seu  Espírito Santo. Como cristãos que receberam seu Espírito quando fomos batizados em Cristo e nascidos de Deus, podemos agora falar com ele e louvá-lo de espírito para Espírito.

ORAÇÃO:
   Aba Pai, pelo presente do seu Espírito, venho à sua presença como filho. Obrigado por me dar seu Espírito para que possa chegar  até o Senhor com confiança e saber que o Senhor ouve as preocupações do meu coração.  Por favor, aceite o louvor do meu coração, das minhas palavras e das minhas ações.  Que as coisas que  faço hoje tragam glória ao Senhor.  No nome de Jesus eu oro. Amém.
 
http://www.iluminalma.com/dph/4/0128.html

27 de jan de 2014

SINAIS DOS TEMPOS OU FRUTOS DO PECADO?

Isaias 59:1-9
Introdução: Quero falar um pouco sobre uma coisa que abalou o país e ainda está repercutindo forte no coração do povo brasileiro: o assassinato da atriz Daniela Perez e Miriam Brandão em Belo Horizonte.
As pessoas ficam curiosas por saber a causa de um ato tão brutal, e não encontram respostas.
Mas a Bíblia responde.
Vamos ver primeiro o que ocasionou o primeiro homicídio no mundo, na terra. (Gên. 4:3-8)
. A vontade humana em oposição à vontade divina.
. O orgulho humano em oposição à humildade que Deus requer (v.3).
. O ódio humano em oposição ao amor Divino (vs.5, 8).
. A hostilidade humana em oposição à comunhão com Deus (v.16).
. Caim querendo aproximar-se de Deus de qualquer forma (v.7).
. O ciúme de Caim trouxe consequências (vs. 4, 5).
Após o ato brutal se afastou de diante de Deus (v.16), o que gerou numa descendência
independente (vs.17-24), a qual é designada como o mundo (1º João 2:15-17).
Eis aqui então os motivos de tamanhas brutalidades:
. A vontade humana prevalescendo (Is. 59).
. O orgulho humano prevalescendo (v. 4).
. O ódio em oposição ao amor (vs. 3, 5).
. O homem tentando chegar à Deus pelo seu próprio esforço (meio) (v.6).
(Como disse determinada atriz: que quando entramos no palco os deuses do teatro nos protegem, pai de santo, iemanjá, etc.). Coisas com que o povo brasileiro se alimenta todos os dias jantando e almoçando novelas tão perniciosas. São os ovos de serpentes que estão em desenvolvimento (v.5).
Assim como Caim, o ciúme levou Daniela Perez e outros (Prov. 6:34; Gál. 5:20).
Esse tipo de incidente afasta mais ainda as pessoas de Deus e também a outras pessoas (como vemos aí milhões de brasileiros querendo vingar a morte com suas próprias mãos. Porventura não estão se tornando assassinos também? Pois biblicamente basta a intensão do coração e já é pecado).
Assim sendo vai-se aumentando o mal cada vez mais, o seu número de adeptos, pois violência gera violência.
Conclusão:
Tudo isto por que?
V 8 - Desconhecem o caminho de Deus.
Desconhecem o caminho da paz.
Querem vingança no lugar de justiça e perdão. Está faltando Jesus no coração dos seres humanos, para que possam viver em paz. Paz, paz, é tudo que as pessoas querem.
Se você também está procurando a paz, Jesus está dizendo: Vinde a mim todo que está cansado e oprimido e eu vos aliviarei. (Mat. 11:28-30)
Pr. Nivalde Teixeira de Abreu

PREGADOR EXAUSTO

Nós devemos estar vivendo os últimos dias desta má era. As pressões sobre o povo de Deus e seus ministros estão alarmantes e ficando piores.
Muitos pastores estão deixando o ministério. Alguns dos pregadores mais promissores da Palavra têm “jogado a toalha” e voltado ao trabalho secular. Eles não poderiam suportar o “stress” das contendas de congregação, críticas de pouca consideração, tumultos de reuniões de negócios, os constantes telefonemas das senhoras, e membros ofendidos deixando a igreja.
Um pastor em uma cidade de centenas de igrejas fundamentalistas, disse que as igrejas Bíblicas de sua cidade eram chamadas de igrejas “de portas circulantes” por causa dos puladores de igrejas que duravam entre 2 ou 3 anos antes de ficarem ofendidos por alguma coisa ou por alguém, deixando assim, a igreja. Isto é uma desgraça. Não é de admirar que não haja um reavivemento. É um fedor às narinas de Deus. Deus diz, “Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço.” (Salmo 119:165)
Lembro-me de uma hilária, absurda, exagerada história: A saúde de um pastor começou a decair. Era evidente que ele estava doente cada vez pior. Testes hospitalares confirmaram que ele tinha um sério problema de úlcera. O desgaste estava vindo para ele. Amigos sugeriram que ele tirasse umas longas férias transoceânicas para relaxar. Eles concordaram em levantar o dinheiro para pagar os custos da viagem.
“Mas eu tenho que preparar a reunião de negócios,” ele protestou, “E o orçamento da igreja é previsto para o próximo mês. Eu tenho oito encontros de aconselhamento hoje. A senhora Morton está enferma e muito zangada por ainda não ter feito uma visita. Há pessoas em três hospitais que precisam de mim. Minhas correspondências estão com três semanas de atraso.”
“Isto basta. O senhor vai entrar de férias agora mesmo. Aqui está o dinheiro,” eles insistiram. Para o seu assombro, o pastor escolheu um país em tumultos políticos.
Algumas semanas mais tarde finalmente eles receberam uma carta. “Prezados amigos, este é um lugar maravilhoso e pacífico depois de ser um pastor. Gerrilheiros lançam bombas caseiras em nós, diariamente. Terroristas estão lançando bombas. Um amigo tem sido sequestrado. Todas as noites, averiguamos nossas camas para verificarmos se não há alguma cobra venenosa. Leões e tigres estão ao redor pela floresta. Estou sem dinheiro, mas consegui um emprego como motorista de caminhão carregado com dinamite, dirigindo em estradas bem estreitas e em montanhas cheias de curvas.
Adivinha o quê? Eu tenho aprendido a relaxar e minhas úlceras estão desaparecendo.”

PARANDO UM ESTOURO DE BÚFALOS

O escritor incomparável de histórias de faroeste, Zane Grey, certa vez escreveu sobre um excitante conto de um estouro de búfalos de ficção.
Ele contou o quão breve os ouvidos mais agudos de entre os pioneiros viajantes ouviram o barulho que faz estrondo que mal se podia ouvir. Com nada em vista ainda através da campina sem rastro, um vaqueiro experiente imediatamente identificou a sua origem. “É um estouro de búfalos e está vindo em nossa direção.”
Sem qualquer árvore visível para poder subir e nada além de pasto por milhas e milhas, que esperança poderiam ter os pioneiros no caminho do estouro de pará-lo? Nenhuma, sem dúvida.
A única esperança era desviar o seu trajeto. Algumas manadas de búfalo em nossas planícies chegam a ter 300.000 cabeças. Grey descreve a desesperada estratégia. Primeiramente, os pioneiros decidiram sacrificar dois caminhões de carga. Estes foram postos à margem do acampamento aonde a manada de búfalo primeiramente viria. Atrás desses, em uma formação difusa “V”, os ansiosos pioneiros arranjaram-se. Quando a manada finalmente ficou visível, colocou-se fogo nos dois caminhões. Então, os pioneiros abriram fogo nos animais que estavam na frente, caindo uma após a outra das felpudas bestas à margem do acampamento. A manada remanescente, correndo como se estivesse possessa e amedrontada pelo fogo, mudou de direção dos caminhões em chamas e de seus camaradas caídos, deixando os pioneiros intactos como se estivessem em uma ilha em uma maré escura móvel. A descrição de Grey é a seguinte:
“Foi como um fluxo torrencial de um oceano onde havia incontáveis legiões de ondas que puxam. Nós estávamos bem no meio de algo tão terrível que me tornei automático, reagindo como uma máquina. Meus ouvidos encheram-se de um estrondo como de trovão... minha vista ficou ofuscada devido a exaustão e terror ou engrossamento da atmosfera.” 
Imagine-se sendo apanhado no percurso de 300.000 cabeças de búfalos! A falta de esperança de pará-los e o sucesso em desviá-los é um bom quadro de algumas das condições em que vivemos hoje em dia mesmo que os búfalos sejam somente uma memória.
Desacato às leis, crime , imoralidade, divórcio, perversão - há qualquer meio de impedir este louco estouro à destruição de nosso mundo que parece estar a caminho? A Bíblia não dá muita esperança, não quando se lê o atemorizante quadro descrito em Apocalipse dos derradeiros dias.
Que esperança temos nós então - nós que somos apanhados dentro do trajeto do estouro? Nós não podemos impedí-lo, contudo, podemos trabalhar para mudar a sua direção de nossas portas. Nós podemos sacrificar algumas possessões se representarem a salvação de nossas famílias. Nós podemos visar nossas “armas” para alguns cabeças de motim na esperança de que, embora a maré não seja das melhores, pelo menos a sua força destrutiva passe de largo.
Educação cristã, escola dominical, acampamentos, reuniões de oração, Igreja, estudo bíblico tudo isto constitui uma ilha de segurança, em um mundo que, rapidamente dirige-se ao esquecimento.
Tome o seu posto, cristão pioneiro! Nós carecemos de você nesta luta!!!

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 9, dia 27)

Daniel 7-8


Daniel 7

 (1) NO primeiro ano de Belsazar, rei de Babilônia, teve Daniel um sonho e visões da sua cabeça quando estava na sua cama; escreveu logo o sonho, e relatou a suma das coisas. (2) Falou Daniel, e disse: Eu estava olhando na minha visão da noite, e eis que os quatro ventos do céu agitavam o mar grande. (3) E quatro animais grandes, diferentes uns dos outros, subiam do mar. (4) O primeiro era como leão, e tinha asas de águia; enquanto eu olhava, foram-lhe arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em pé como um homem, e foi-lhe dado um coração de homem. (5) Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os seus dentes; e foi-lhe dito assim: Levanta-te, devora muita carne. (6) Depois disto, eu continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha quatro asas de ave nas suas costas; tinha também este animal quatro cabeças, e foi-lhe dado domínio. (7) Depois disto eu continuei olhando nas visões da noite, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha dentes grandes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres. (8) Estando eu a considerar os chifres, eis que, entre eles subiu outro chifre pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas. (9) Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; a sua veste era branca como a neve, e o cabelo da sua cabeça como a pura lã; e seu trono era de chamas de fogo, e as suas rodas de fogo ardente. (10) Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e milhões de milhões assistiam diante dele; assentou-se o juízo, e abriram-se os livros. (11) Então estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que o chifre proferia; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo desfeito, e entregue para ser queimado pelo fogo; (12) E, quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia foi-lhes prolongada a vida até certo espaço de tempo. (13) Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. (14) E foi-lhe dado o domínio, e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído. (15) Quanto a mim, Daniel, o meu espírito foi abatido dentro do corpo, e as visões da minha cabeça me perturbaram. (16) Cheguei-me a um dos que estavam perto, e pedi-lhe a verdade acerca de tudo isto. E ele me disse, e fez-me saber a interpretação das coisas. (17) Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis, que se levantarão da terra. (18) Mas os santos do Altíssimo receberão o reino, e o possuirão para todo o sempre, e de eternidade em eternidade. (19) Então tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros, muito terrível, cujos dentes eram de ferro e as suas unhas de bronze; que devorava, fazia em pedaços e pisava aos pés o que sobrava; (20) E também a respeito dos dez chifres que tinha na cabeça, e do outro que subiu, e diante do qual caíram três, isto é, daquele que tinha olhos, e uma boca que falava grandes coisas, e cujo parecer era mais robusto do que o dos seus companheiros. (21) Eu olhava, e eis que este chifre fazia guerra contra os santos, e prevaleceu contra eles. (22) Até que veio o ancião de dias, e fez justiça aos santos do Altíssimo; e chegou o tempo em que os santos possuíram o reino. (23) Disse assim: O quarto animal será o quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; e devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. (24) E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis. (25) E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo. (26) Mas o juízo será estabelecido, e eles tirarão o seu domínio, para o destruir e para o desfazer até ao fim. (27) E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão. (28) Aqui terminou o assunto. Quanto a mim, Daniel, os meus pensamentos muito me perturbaram, e mudou-se em mim o meu semblante; mas guardei o assunto no meu coração.

Daniel 8

 (1) NO ano terceiro do reinado do rei Belsazar apareceu-me uma visão, a mim, Daniel, depois daquela que me apareceu no princípio. (2) E vi na visão; e sucedeu que, quando vi, eu estava na cidadela de Susã, na província de Elão; vi, pois, na visão, que eu estava junto ao rio Ulai. (3) E levantei os meus olhos, e vi, e eis que um carneiro estava diante do rio, o qual tinha dois chifres; e os dois chifres eram altos, mas um era mais alto do que o outro; e o mais alto subiu por último. (4) Vi que o carneiro dava marradas para o ocidente, e para o norte e para o sul; e nenhum dos animais lhe podia resistir; nem havia quem pudesse livrar-se da sua mão; e ele fazia conforme a sua vontade, e se engrandecia. (5) E, estando eu considerando, eis que um bode vinha do ocidente sobre toda a terra, mas sem tocar no chão; e aquele bode tinha um chifre insigne entre os olhos. (6) E dirigiu-se ao carneiro que tinha os dois chifres, ao qual eu tinha visto em pé diante do rio, e correu contra ele no ímpeto da sua força. (7) E vi-o chegar perto do carneiro, enfurecido contra ele, e ferindo-o quebrou-lhe os dois chifres, pois não havia força no carneiro para lhe resistir, e o bode o lançou por terra, e o pisou aos pés; não houve quem pudesse livrar o carneiro da sua mão. (8) E o bode se engrandeceu sobremaneira; mas, estando na sua maior força, aquele grande chifre foi quebrado; e no seu lugar subiram outros quatro também insignes, para os quatro ventos do céu. (9) E de um deles saiu um chifre muito pequeno, o qual cresceu muito para o sul, e para o oriente, e para a terra formosa. (10) E se engrandeceu até contra o exército do céu; e a alguns do exército, e das estrelas, lançou por terra, e os pisou. (11) E se engrandeceu até contra o príncipe do exército; e por ele foi tirado o sacrifício contínuo, e o lugar do seu santuário foi lançado por terra. (12) E um exército foi dado contra o sacrifício contínuo, por causa da transgressão; e lançou a verdade por terra, e o fez, e prosperou. (13) Depois ouvi um santo que falava; e disse outro santo àquele que falava: Até quando durará a visão do sacrifício contínuo, e da transgressão assoladora, para que sejam entregues o santuário e o exército, a fim de serem pisados? (14) E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado. (15) E aconteceu que, havendo eu, Daniel, tido a visão, procurei o significado, e eis que se apresentou diante de mim como que uma semelhança de homem. (16) E ouvi uma voz de homem entre as margens do Ulai, a qual gritou, e disse: Gabriel, dá a entender a este a visão. (17) E veio perto de onde eu estava; e, vindo ele, me amedrontei, e caí sobre o meu rosto; mas ele me disse: Entende, filho do homem, porque esta visão acontecerá no fim do tempo. (18) E, estando ele falando comigo, caí adormecido com o rosto em terra; ele, porém, me tocou, e me fez estar em pé. (19) E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao tempo determinado do fim. (20) Aquele carneiro que viste com dois chifres são os reis da Média e da Pérsia, (21) Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei; (22) O ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar dele, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, mas não com a força dele. (23) Mas, no fim do seu reinado, quando acabarem os prevaricadores, se levantará um rei, feroz de semblante, e será entendido em adivinhações. (24) E se fortalecerá o seu poder, mas não pela sua própria força; e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os poderosos e o povo santo. (25) E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão; e no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem em segurança; e se levantará contra o Príncipe dos príncipes, mas sem mão será quebrado. (26) E a visão da tarde e da manhã que foi falada, é verdadeira. Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias muito distantes. (27) E eu, Daniel, enfraqueci, e estive enfermo alguns dias; então levantei-me e tratei do negócio do rei. E espantei-me acerca da visão, e não havia quem a entendesse.

DEVOCIONAL PARA HOJE 27/01/2014

VERSÍCULO:
   porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais  resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.  -- Efésios 6:12-13

PENSAMENTO:
   Você esquece freqüentemente que estamos travando uma guerra espiritual?  Nosso inimigo é esperto - ele tira a iminência de uma ameaça e parece que o perigo dissipa.  Mas ele (o diabo) está lá, sempre.  Ao invés de tentar adivinhar os planos dele e remediar todas as suas ações, Paulo nos lembra que devemos simplesmente usar as ferramentas que Deus nos deu e enfrentar o diabo.

ORAÇÃO:
   Senhor dos Exércitos, meu Grande Libertador, proteja-me do diabo com seu grande poder.  Dá-me uma sensibilidade da urgência ao enfrentar Satanás e seus esquemas diariamente.  Também dá-me a confiança que Jesus já derrotou meu inimigo.  Ajude-me a enfrentar  este inimigo e ser fiel ao Senhor.  Através de Jesus meu Senhor e Salvador eu oro. Amém.
 
http://www.iluminalma.com/dph/4/0127.html

26 de jan de 2014

VOCÊ SABIA? A SUA IGREJA É O QUE VOCÊ FAZ DELA.

Se ela é uma igreja em desenvolvimento, é porque você regularmente vem com a sua família para aprender da Palavra de Deus.
Se é um igreja bíblica, é porque você não se conterá com nada menos.
Se é uma igreja amigável, é porque você é amigável e dela faz o mesmo.
Se é uma igreja doadora, porque você dá com um coração de amor.
Se é uma igreja de oração, é porque você regular e conscientemente ora por sua igreja e ministros.
Se é uma igreja espiritual, é porque você diariamente anda no Espírito e espera em Cristo. 
Se é uma igreja de crenças bíblicas, é porque você estuda para “apresentar-se a Deus aprovado...que maneja bem a palavra da verdade”.

AREIA EM SEUS SAPATOS

Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que devastam os vinhedos” Cantares 2:15 
Imagine todos os obstáculos que uma pessoa teria que superar se ela tivesse que andar de Nova Yorque a São Francisco. O homem que conseguiu esta façanha mencionou uma dificuldade um tanto surpreendente ao ser questionado acerca do maior obstáculo. Ele disse que o pior obstáculo durante a viagem não foi atravessar as muitas ladeiras das montanhas ou mesmo as áreas improdutivas, quentes e secas do deserto. E sim, “A coisa que mais próxima chegou de me derrotar foi a areia em meus sapatos.”
Quando eu li esse comentário, ele me fez lembrar da vida cristã. Nós muitas vezes triunfamos sobre enormes dificuldades para freqüentemente sermos derrotados por pequenos detalhes insignificantes. Ao sermos enfrentados por inimigos espirituais poderosos e temíveis, nós nos levantamos para nos tornarmos vencedores pela graça e poder do Senhor. No entanto, nós permitimos que uma palavra menos gentil, um ligeiro imprevisto ou um insignificante mal entendido nos derrube. Então, passamos a nos sentir tão tristes por nós, que nós nos rendemos ao desencorajamento. Em desespero, nós desistimos da luta e não alcançamos o alvo tudo por causa de um pouco “de areia em nossos sapatos”.
O senhor Francis Drake, um explorador do século 16, que viajara ao redor do mundo, estava atravessando o rio Thames quando uma violenta tempestade ameaçou naufragar o seu barco. O seu brado foi: “Será que depois de eu ter enfrentado as violentas tempestades oceânicas naufragarei em uma vala?”
Nós também poderíamos nos fazer a mesma pergunta: “Será que eu depois de ter chegado até aqui pela fé serei derrotado agora por um pouco de areia em meus sapatos?”

PAI VOCÊ É NECESSÁRIO

  1. Não subestime a importância de seu papel. Como o cabeça da família, a unidade básica da sociedade, você e todos os outros pais diretamente afetam o destino da comunidade, da nação e do mundo.
  2. Dê à sua família prioridade. Não importa o quão bem sucedido você seja em seu trabalho ou em venturas de negócios, sua vida pode vir a ser uma derrota se você negligenciar a relevância em dar à sua família o tempo e a atenção pessoal que eles tanto carecem e merecem.
  3. Realize-se em viver para os seus deveres paternos. Quando o homem abandona a criação de seus filhos aos cuidados de sua esposa, todos saem perdendo; porém, quicá, mais ainda as crianças. Seus filhos necessitam de você, tanto quanto você de seus filhos.
  4. Permita que o vigor distinga tudo o que você fizer. A contribuição de um homem deveria ser forte como uma influência para as suas crianças e para a sociedade.
  5. Separe algum tempo para estar com a sua família. Os jovens medem o interesse de seus pais por eles à proporção direta do tempo gasto pelos pais com eles.
  6. Faça do seu lar um feliz lar. Faça de sua família um centro de alegria.
  7. Seja um bom ouvinte. Compartilhe as experiências e problemas de seus filhos simplesmente escutando.
  8. Dê exemplo a seus filhos. Pratique o que você prega.
  9. Ensine-os a serem responsáveis. Não dê tudo de "mão beijada" para eles.
  10. Mantenha os laços familiares bem forte. Esteja disponível. Faça atividades em grupo como uma família.
  11. Desenvolva a personalidade de cada criança. Trate cada criança como um indivíduo para guiar e encorajar.
  12. Entenda o verdadeiro significado de disciplina. Permita que a sua autoridade tenha como força propulsora o amor. Seja moderado, tadavia firme quando tiver que ser.
  13. Estimule a criatividade de seus filhos. Dê-lhes a oportunidade de sonharem alto, de soltarem a sua imaginação e despertarem a sua percepção à criação de Deus.
  14. Alimente a sua vida espiritual. Inspire neles um animoso senso de religião e adoração.
  15. Leve os seus estudos a sério. Exija horas regulares de estudo.
  16. Auxilie-os a adquirirem um gosto por livros. Estimule-os às alegrias e tesouros de boas leituras.
  17. Ensine-os o valor do dinheiro. Mostre-lhes como usar o seu dinheiro da forma mais sábia.
  18. Instrua-os e passe-lhes reverência pelo corpo e santidade do casamento.
  19. Estimule-os a terem vidas construtivas. Treine-os a pensarem além de si mesmos ao planejarem as suas vidas.
  20. Tente ver as coisas do ponto de vista deles.

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 9, dia 26)

Daniel 1-4

Daniel 1

 (1) NO ano terceiro do reinado de Jeoiaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, a Jerusalém, e a sitiou. (2) E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoiaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus. (3) E disse o rei a Aspenaz, chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real e dos príncipes, (4) Jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus. (5) E o rei lhes determinou a porção diária, das iguarias do rei, e do vinho que ele bebia, e que assim fossem mantidos por três anos, para que no fim destes pudessem estar diante do rei. (6) E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias; (7) E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias o de Abednego. (8) E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar. (9) Ora, Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos. (10) E disse o chefe dos eunucos a Daniel: Tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois por que veria ele os vossos rostos mais tristes do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim porias em perigo a minha cabeça para com o rei. (11) Então disse Daniel ao despenseiro a quem o chefe dos eunucos havia constituído sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias: (12) Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias, e que se nos dêem legumes a comer, e água a beber. (13) Então se examine diante de ti a nossa aparência, e a aparência dos jovens que comem a porção das iguarias do rei; e, conforme vires, procederás para com os teus servos. (14) E ele consentiu isto, e os experimentou dez dias. (15) E, ao fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes melhores, e eles estavam mais gordos de carne do que todos os jovens que comiam das iguarias do rei. (16) Assim o despenseiro tirou-lhes a porção das iguarias, e o vinho de que deviam beber, e lhes dava legumes. (17) Quanto a estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras, e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda a visão e sonhos. (18) E ao fim dos dias, em que o rei tinha falado que os trouxessem, o chefe dos eunucos os trouxe diante de Nabucodonosor. (19) E o rei falou com eles; e entre todos eles não foram achados outros tais como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; portanto ficaram assistindo diante do rei. (20) E em toda a matéria de sabedoria e de discernimento, sobre o que o rei lhes perguntou, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos astrólogos que havia em todo o seu reino. (21) E Daniel permaneceu até ao primeiro ano do rei Ciro.

Daniel 2

 (1) E NO segundo ano do reinado de Nabucodonosor, Nabucodonosor teve sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se-lhe o sono. (2) Então o rei mandou chamar os magos, os astrólogos, os encantadores e os caldeus, para que declarassem ao rei os seus sonhos; e eles vieram e se apresentaram diante do rei. (3) E o rei lhes disse: Tive um sonho; e para saber o sonho está perturbado o meu espírito. (4) E os caldeus disseram ao rei em aramaico: Ó rei, vive eternamente! Dize o sonho a teus servos, e daremos a interpretação. (5) Respondeu o rei, e disse aos caldeus: O assunto me tem escapado; se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo; (6) Mas se vós me declarardes o sonho e a sua interpretação, recebereis de mim dádivas, recompensas e grande honra; portanto declarai-me o sonho e a sua interpretação. (7) Responderam segunda vez, e disseram: Diga o rei o sonho a seus servos, e daremos a sua interpretação. (8) Respondeu o rei, e disse: Percebo muito bem que vós quereis ganhar tempo; porque vedes que o assunto me tem escapado. (9) De modo que, se não me fizerdes saber o sonho, uma só sentença será a vossa; pois vós preparastes palavras mentirosas e perversas para as proferirdes na minha presença, até que se mude o tempo; portanto dizei-me o sonho, para que eu entenda que me podeis dar a sua interpretação. (10) Responderam os caldeus na presença do rei, e disseram: Não há ninguém sobre a terra que possa declarar a palavra ao rei; pois nenhum rei há, grande ou dominador, que requeira coisas semelhantes de algum mago, ou astrólogo, ou caldeu. (11) Porque o assunto que o rei requer é difícil; e ninguém há que o possa declarar diante do rei, senão os deuses, cuja morada não é com a carne. (12) Por isso o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilônia. (13) E saiu o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos. (14) Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilônia. (15) Respondeu, e disse a Arioque, capitão do rei: Por que se apressa tanto o decreto da parte do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel. (16) E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que lhe pudesse dar a interpretação. (17) Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros; (18) Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios da Babilônia. (19) Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu. (20) Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; (21) E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. (22) Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz. (23) Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei. (24) Por isso Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios de Babilônia; entrou, e disse-lhe assim: Não mates os sábios de Babilônia; introduze-me na presença do rei, e declararei ao rei a interpretação. (25) Então Arioque depressa introduziu a Daniel na presença do rei, e disse-lhe assim: Achei um homem dentre os cativos de Judá, o qual fará saber ao rei a interpretação. (26) Respondeu o rei, e disse a Daniel (cujo nome era Beltessazar): Podes tu fazer-me saber o sonho que tive e a sua interpretação? (27) Respondeu Daniel na presença do rei, dizendo: O segredo que o rei requer, nem sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos o podem declarar ao rei; (28) Mas há um Deus no céu, o qual revela os mistérios; ele, pois, fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de acontecer nos últimos dias; o teu sonho e as visões da tua cabeça que tiveste na tua cama são estes: (29) Estando tu, ó rei, na tua cama, subiram os teus pensamentos, acerca do que há de ser depois disto. Aquele, pois, que revela os mistérios te fez saber o que há de ser. (30) E a mim me foi revelado esse mistério, não porque haja em mim mais sabedoria que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração. (31) Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta estátua, que era imensa, cujo esplendor era excelente, e estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível. (32) A cabeça daquela estátua era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre; (33) As pernas de ferro; os seus pés em parte de ferro e em parte de barro. (34) Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou. (35) Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como pragana das eiras do estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra, que feriu a estátua, se tornou grande monte, e encheu toda a terra. (36) Este é o sonho; também a sua interpretação diremos na presença do rei. (37) Tu, ó rei, és rei de reis; a quem o Deus do céu tem dado o reino, o poder, a força, e a glória. (38) E onde quer que habitem os filhos de homens, na tua mão entregou os animais do campo, e as aves do céu, e fez que reinasse sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro. (39) E depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze, o qual dominará sobre toda a terra. (40) E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro, esmiúça e quebra tudo; como o ferro que quebra todas as coisas, assim ele esmiuçará e fará em pedaços. (41) E, quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois viste o ferro misturado com barro de lodo. (42) E como os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte, e por outra será frágil. (43) Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro. (44) Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre, (45) Da maneira que viste que do monte foi cortada uma pedra, sem auxílio de mãos, e ela esmiuçou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro; o grande Deus fez saber ao rei o que há de ser depois disto. Certo é o sonho, e fiel a sua interpretação. (46) Então o rei Nabucodonosor caiu sobre a sua face, e adorou a Daniel, e ordenou que lhe oferecessem uma oblação e perfumes suaves. (47) Respondeu o rei a Daniel, e disse: Certamente o vosso Deus é Deus dos deuses, e o Senhor dos reis e revelador de mistérios, pois pudeste revelar este mistério. (48) Então o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitas e grandes dádivas, e o pôs por governador de toda a província de Babilônia, como também o fez chefe dos governadores sobre todos os sábios de Babilônia. (49) E pediu Daniel ao rei, e constituiu ele sobre os negócios da província de Babilônia a Sadraque, Mesaque e Abednego; mas Daniel permaneceu na porta do rei.

Daniel 3

 (1) O REI Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de Babilônia. (2) Então o rei Nabucodonosor mandou reunir os príncipes, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os capitães, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado. (3) Então se reuniram os príncipes, os prefeitos e governadores, os capitães, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, e todos os oficiais das províncias, à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado. (4) E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e línguas: (5) Quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, prostrar-vos-eis, e adorareis a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tem levantado. (6) E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente. (7) Portanto, no mesmo instante em que todos os povos ouviram o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério e de toda a espécie de música, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, e adoraram a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado. (8) Por isso, no mesmo instante chegaram perto alguns caldeus, e acusaram os judeus. (9) E responderam, dizendo ao rei Nabucodonosor: Ó rei, vive eternamente! (10) Tu, ó rei, fizeste um decreto, pelo qual todo homem que ouvisse o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, e da gaita de foles, e de toda a espécie de música, se prostrasse e adorasse a estátua de ouro; (11) E, qualquer que não se prostrasse e adorasse, seria lançado dentro da fornalha de fogo ardente. (12) Há uns homens judeus, os quais constituíste sobre os negócios da província de Babilônia: Sadraque, Mesaque e Abednego; estes homens, ó rei, não fizeram caso de ti; a teus deuses não servem, nem adoram a estátua de ouro que levantaste. (13) Então Nabucodonosor, com ira e furor, mandou trazer a Sadraque, Mesaque e Abednego. E trouxeram a estes homens perante o rei. (14) Falou Nabucodonosor, e lhes disse: É de propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abednego, que vós não servis a meus deuses nem adorais a estátua de ouro que levantei? (15) Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se não a adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro da fornalha de fogo ardente. E quem é o Deus que vos poderá livrar das minhas mãos? (16) Responderam Sadraque, Mesaque e Abednego, e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio. (17) Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei. (18) E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste. (19) Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer. (20) E ordenou aos homens mais poderosos, que estavam no seu exército, que atassem a Sadraque, Mesaque e Abednego, para lançá-los na fornalha de fogo ardente. (21) Então estes homens foram atados, vestidos com as suas capas, suas túnicas, e seus chapéus, e demais roupas, e foram lançados dentro da fornalha de fogo ardente. (22) E, porque a palavra do rei era urgente, e a fornalha estava sobremaneira quente, a chama do fogo matou aqueles homens que carregaram a Sadraque, Mesaque, e Abednego. (23) E estes três homens, Sadraque, Mesaque e Abednego, caíram atados dentro da fornalha de fogo ardente. (24) Então o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa; falou, dizendo aos seus conselheiros: Não lançamos nós, dentro do fogo, três homens atados? Responderam e disseram ao rei: É verdade, ó rei. (25) Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus. (26) Então chegando-se Nabucodonosor à porta da fornalha de fogo ardente, falou, dizendo: Sadraque, Mesaque e Abednego, servos do Deus Altíssimo, saí e vinde! Então Sadraque, Mesaque e Abednego saíram do meio do fogo. (27) E reuniram-se os príncipes, os capitães, os governadores e os conselheiros do rei e, contemplando estes homens, viram que o fogo não tinha tido poder algum sobre os seus corpos; nem um só cabelo da sua cabeça se tinha queimado, nem as suas capas se mudaram, nem cheiro de fogo tinha passado sobre eles. (28) Falou Nabucodonosor, dizendo: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, que enviou o seu anjo, e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois violaram a palavra do rei, preferindo entregar os seus corpos, para que não servissem nem adorassem algum outro deus, senão o seu Deus. (29) Por mim, pois, é feito um decreto, pelo qual todo o povo, e nação e língua que disser blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro Deus que possa livrar como este. (30) Então o rei fez prosperar a Sadraque, Mesaque e Abednego, na província de Babilônia.

Daniel 4

 (1) NABUCODONOSOR rei, a todos os povos, nações e línguas, que moram em toda a terra: Paz vos seja multiplicada. (2) Pareceu-me bem fazer conhecidos os sinais e maravilhas que Deus, o Altíssimo, tem feito para comigo. (3) Quão grandes são os seus sinais, e quão poderosas as suas maravilhas! O seu reino é um reino sempiterno, e o seu domínio de geração em geração. (4) Eu, Nabucodonosor, estava sossegado em minha casa, e próspero no meu palácio. (5) Tive um sonho, que me espantou; e estando eu na minha cama, as imaginações e as visões da minha cabeça me turbaram. (6) Por isso expedi um decreto, para que fossem introduzidos à minha presença todos os sábios de Babilônia, para que me fizessem saber a interpretação do sonho. (7) Então entraram os magos, os astrólogos, os caldeus e os adivinhadores, e eu contei o sonho diante deles; mas não me fizeram saber a sua interpretação. (8) Mas por fim entrou na minha presença Daniel, cujo nome é Beltessazar, segundo o nome do meu deus, e no qual há o espírito dos deuses santos; e eu lhe contei o sonho, dizendo: (9) Beltessazar, mestre dos magos, pois eu sei que há em ti o espírito dos deuses santos, e nenhum mistério te é difícil, dize-me as visões do meu sonho que tive e a sua interpretação. (10) Eis, pois, as visões da minha cabeça, estando eu na minha cama: Eu estava assim olhando, e vi uma árvore no meio da terra, cuja altura era grande; (11) Crescia esta árvore, e se fazia forte, de maneira que a sua altura chegava até ao céu; e era vista até aos confins da terra. (12) A sua folhagem era formosa, e o seu fruto abundante, e havia nela sustento para todos; debaixo dela os animais do campo achavam sombra, e as aves do céu faziam morada nos seus ramos, e toda a carne se mantinha dela. (13) Estava vendo isso nas visões da minha cabeça, estando eu na minha cama; e eis que um vigia, um santo, descia do céu, (14) Clamando fortemente, e dizendo assim: Derrubai a árvore, e cortai-lhe os ramos, sacudi as suas folhas, espalhai o seu fruto; afugentem-se os animais de debaixo dela, e as aves dos seus ramos. (15) Mas deixai na terra o tronco com as suas raízes, atada com cadeias de ferro e de bronze, na erva do campo; e seja molhado do orvalho do céu, e seja a sua porção com os animais na erva da terra; (16) Seja mudado o seu coração, para que não seja mais coração de homem, e lhe seja dado coração de animal; e passem sobre ele sete tempos. (17) Esta sentença é por decreto dos vigias, e esta ordem por mandado dos santos, a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer, e até ao mais humilde dos homens constitui sobre ele. (18) Este sonho eu, rei Nabucodonosor vi. Tu, pois, Beltessazar, dize a interpretação, porque todos os sábios do meu reino não puderam fazer-me saber a sua interpretação, mas tu podes; pois há em ti o espírito dos deuses santos. (19) Então Daniel, cujo nome era Beltessazar, esteve atônito por uma hora, e os seus pensamentos o turbavam; falou, pois, o rei, dizendo: Beltessazar, não te espante o sonho, nem a sua interpretação. Respondeu Beltessazar, dizendo: SENHOR meu, seja o sonho contra os que te têm ódio, e a sua interpretação aos teus inimigos. (20) A árvore que viste, que cresceu, e se fez forte, cuja altura chegava até ao céu, e que foi vista por toda a terra; (21) Cujas folhas eram formosas, e o seu fruto abundante, e em que para todos havia sustento, debaixo da qual moravam os animais do campo, e em cujos ramos habitavam as aves do céu; (22) És tu, ó rei, que cresceste, e te fizeste forte; a tua grandeza cresceu, e chegou até ao céu, e o teu domínio até à extremidade da terra. (23) E quanto ao que viu o rei, um vigia, um santo, que descia do céu, e dizia: Cortai a árvore, e destruí-a, mas o tronco com as suas raízes deixai na terra, e atada com cadeias de ferro e de bronze, na erva do campo; e seja molhado do orvalho do céu, e a sua porção seja com os animais do campo, até que passem sobre ele sete tempos; (24) Esta é a interpretação, ó rei; e este é o decreto do Altíssimo, que virá sobre o rei, meu senhor: (25) Serás tirado dentre os homens, e a tua morada será com os animais do campo, e te farão comer erva como os bois, e serás molhado do orvalho do céu; e passar-se-ão sete tempos por cima de ti; até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer. (26) E quanto ao que foi falado, que deixassem o tronco com as raízes da árvore, o teu reino voltará para ti, depois que tiveres conhecido que o céu reina. (27) Portanto, ó rei, aceita o meu conselho, e põe fim aos teus pecados, praticando a justiça, e às tuas iniqüidades, usando de misericórdia com os pobres, pois, talvez se prolongue a tua tranqüilidade. (28) Todas estas coisas vieram sobre o rei Nabucodonosor. (29) Ao fim de doze meses, quando passeava no palácio real de Babilônia, (30) Falou o rei, dizendo: Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com a força do meu poder, e para glória da minha magnificência? (31) Ainda estava a palavra na boca do rei, quando caiu uma voz do céu: A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: Passou de ti o reino. (32) E serás tirado dentre os homens, e a tua morada será com os animais do campo; far-te-ão comer erva como os bois, e passar-se-ão sete tempos sobre ti, até que conheças que o Altíssimo domina sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer. (33) Na mesma hora se cumpriu a palavra sobre Nabucodonosor, e foi tirado dentre os homens, e comia erva como os bois, e o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceu pêlo, como as penas da águia, e as suas unhas como as das aves. (34) Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. (35) E todos os moradores da terra são reputados em nada, e segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes? (36) No mesmo tempo tornou a mim o meu entendimento, e para a dignidade do meu reino tornou-me a vir a minha majestade e o meu resplendor; e buscaram-me os meus conselheiros e os meus senhores; e fui restabelecido no meu reino, e a minha glória foi aumentada. (37) Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba.

DEVOCIONAL PARA HOJE 26/01/2014

VERSÍCULO:
   Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. -- Tiago 4:8

PENSAMENTO:
   Chegai-vos a Deus.  Esta frase parece até obscena.  Pelo menos para nossa cultura de "avance custe o que custar" e "não olhe para trás, porque a competição está ganhando", a frase parece obscena. Humildade é uma virtude esquecida.  Muitas vezes confundimo-no com fraqueza ou timidez, mas humildade é saber nosso lugar no mundo sem nos gabar. Somente Deus pode exaltar alguém permanentemente. Então,  o segredo é saber nosso lugar perante Ele e deixá-lo nos colocar que Ele escolhe para podermos honrá-lo.

ORAÇÃO:
   Aba Pai, Deus Santíssimo, obrigado por me deixar chegar à sua presença.  Quando pensar em tudo que o Senhor tem feito, o incrível  universo que o Senhor fez e segura por sua palavra, estou admirado que o Senhor me convida estar na sua presença. Estou admirado que o  Senhor se preocupa sobre as minhas escolhas.  Obrigado por me conhecer e ter um plano para minha vida.  Ajude-me hoje viver com humildade e graça perante outros enquanto procuro Te glorificar em  tudo.  Através de Jesus eu oro.  Amém.
 
http://www.iluminalma.com/dph/4/0126.html

25 de jan de 2014

ARDENTE SUPLICA

Senhor meu Deus, fortaleza da minha salvação; REFRIGERA minha alma com a “chuva temporã e serodia”, da multidão das Tuas misericórdias;
IRRIGA Senhor e vivifica o meu coração com a SEIVA vitaminada da Tua palavra que é inesgotável, viva e cristalina;
LIMPA Senhor com o poder, o revestimento e a unção da Tua palavra, o meu coração “enganoso e perverso”; 
REGA Senhor e aduba o meu “espírito, alma e corpo”, com o sereno vivifico do Teu inefável, singular, sublime e doce amor;
DERRAMA meu Pai, sobre o Teu servo, a porção virtuosa do Teu Santo Espírito, a fim de que eu possa sentir o majestoso impulso da Tua GRAÇA de modo total e permanente na minha vida;
AUMENTA Pai amado, a chance do teu servo ouvir o “som festivo”, contagiante, sonoro, limpo e purificador da Tua meiga, mansa, delicada e suave palavra, a fim de que eu possa crescer na GRAÇA e no conhecimento dela, para contar voluntariamente as Tuas maravilhas e falar desasombradamente e com gozo, das Tuas santas e inequívocas VERDADES ao mundo;
ILUMINA Senhor o “espírito do meu sentido” de tal forma, que eu possa perceber, sentir e mostrar a luz do Teu Santo Espírito, de modo permanente e continuo, ao mundo; exclusivamente para honra e glória do Teu santo, excelso, sublime e singular nome, na propagação do santo Evangelho de CRISTO JESUS, meu amado CONSELHEIRO, advogado, Senhor e Remidor Único. Amem!

Ismael Alves Pires