VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

4 de nov de 2014

Plano de Leitura Bíblica em um Ano (Mês 2, dia 13)

Números 13-15

Números 13

 (1) E FALOU o SENHOR a Moisés, dizendo: (2) Envia homens que espiem a terra de Canaã, que eu hei de dar aos filhos de Israel; de cada tribo de seus pais enviareis um homem, sendo cada um príncipe entre eles. (3) E enviou-os Moisés do deserto de Parã, segundo a ordem do Senhor; todos aqueles homens eram cabeças dos filhos de Israel. (4) E estes são os seus nomes: Da tribo de Rúben, Samua, filho de Zacur; (5) Da tribo de Simeão, Safate, filho de Hori; (6) Da tribo de Judá, Calebe, filho de Jefoné; (7) Da tribo de Issacar, Jigeal, filho de José; (8) Da tribo de Efraim, Oséias, filho de Num; (9) Da tribo de Benjamim, Palti, filho de Rafu; (10) Da tribo de Zebulom, Gadiel, filho de Sodi; (11) Da tribo de José, pela tribo de Manassés, Gadi filho de Susi; (12) Da tribo de Dã, Amiel, filho de Gemali; (13) Da tribo de Aser, Setur, filho de Micael; (14) Da tribo de Naftali, Nabi, filho de Vofsi; (15) Da tribo de Gade, Geuel, filho de Maqui. (16) Estes são os nomes dos homens que Moisés enviou a espiar aquela terra; e a Oséias, filho de Num, Moisés chamou Josué. (17) Enviou-os, pois, Moisés a espiar a terra de Canaã; e disse-lhes: Subi por aqui para o lado do sul, e subi à montanha: (18) E vede que terra é, e o povo que nela habita; se é forte ou fraco; se pouco ou muito. (19) E como é a terra em que habita, se boa ou má; e quais são as cidades em que eles habitam; se em arraiais, ou em fortalezas. (20) Também como é a terra, se fértil ou estéril; se nela há árvores, ou não; e esforçai-vos, e tomai do fruto da terra. E eram aqueles dias os dias das primícias das uvas. (21) Assim subiram e espiaram a terra desde o deserto de Zim, até Reobe, à entrada de Hamate. (22) E subiram para o lado do sul, e vieram até Hebrom; e estavam ali Aimã, Sesai e Talmai, filhos de Anaque (Hebrom foi edificada sete anos antes de Zoã no Egito). (23) Depois foram até ao vale de Escol, e dali cortaram um ramo de vide com um cacho de uvas, o qual trouxeram dois homens, sobre uma vara; como também das romãs e dos figos. (24) Chamaram àquele lugar o vale de Escol, por causa do cacho que dali cortaram os filhos de Israel. (25) E eles voltaram de espiar a terra, ao fim de quarenta dias. (26) E caminharam, e vieram a Moisés e a Arão, e a toda a congregação dos filhos de Israel no deserto de Parã, em Cades; e deram-lhes notícias, a eles, e a toda a congregação, e mostraram-lhes o fruto da terra. (27) E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto. (28) O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades fortificadas e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque. (29) Os amalequitas habitam na terra do sul; e os heteus, e os jebuseus, e os amorreus habitam na montanha; e os cananeus habitam junto do mar, e pela margem do Jordão. (30) Então Calebe fez calar o povo perante Moisés, e disse: Certamente subiremos e a possuiremos em herança; porque seguramente prevaleceremos contra ela. (31) Porém, os homens que com ele subiram disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós. (32) E infamaram a terra que tinham espiado, dizendo aos filhos de Israel: A terra, pela qual passamos a espiá-la, é terra que consome os seus moradores; e todo o povo que vimos nela são homens de grande estatura. (33) Também vimos ali gigantes, filhos de Anaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos.

Números 14

 (1) ENTÃO toda a congregação levantou a sua voz; e o povo chorou naquela noite. (2) E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhes disse: Quem dera tivéssemos morrido na terra do Egito! ou, mesmo neste deserto! (3) E por que o SENHOR nos traz a esta terra, para cairmos à espada, e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos ao Egito? (4) E diziam uns aos outros: Constituamos um líder, e voltemos ao Egito. (5) Então Moisés e Arão caíram sobre os seus rostos perante toda a congregação dos filhos de Israel. (6) E Josué, filho de Num, e Calebe filho de Jefoné, dos que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes. (7) E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pela qual passamos a espiar é terra muito boa. (8) Se o SENHOR se agradar de nós, então nos porá nesta terra, e no-la dará; terra que mana leite e mel. (9) Tão-somente não sejais rebeldes contra o SENHOR, e não temais o povo dessa terra, porquanto são eles nosso pão; retirou-se deles o seu amparo, e o SENHOR é conosco; não os temais. (10) Mas toda a congregação disse que os apedrejassem; porém a glória do SENHOR apareceu na tenda da congregação a todos os filhos de Israel. (11) E disse o SENHOR a Moisés: Até quando me provocará este povo? e até quando não crerá em mim, apesar de todos os sinais que fiz no meio dele? (12) Com pestilência o ferirei, e o rejeitarei; e te farei a ti povo maior e mais forte do que este. (13) E disse Moisés ao SENHOR: Assim os egípcios o ouvirão; porquanto com a tua força fizeste subir este povo do meio deles. (14) E dirão aos moradores desta terra, os quais ouviram que tu, ó SENHOR, estás no meio deste povo, que face a face, ó SENHOR, lhes apareces, que tua nuvem está sobre ele e que vais adiante dele numa coluna de nuvem de dia, e numa coluna de fogo de noite. (15) E se matares este povo como a um só homem, então as nações, que antes ouviram a tua fama, falarão, dizendo: (16) Porquanto o SENHOR não podia pôr este povo na terra que lhe tinha jurado; por isso os matou no deserto. (17) Agora, pois, rogo-te que a força do meu Senhor se engrandeça; como tens falado, dizendo: (18) O SENHOR é longânimo, e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente, e visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração. (19) Perdoa, pois, a iniqüidade deste povo, segundo a grandeza da tua misericórdia; e como também perdoaste a este povo desde a terra do Egito até aqui. (20) E disse o SENHOR: Conforme à tua palavra lhe perdoei. (21) Porém, tão certamente como eu vivo, e como a glória do SENHOR encherá toda a terra, (22) E que todos os homens que viram a minha glória e os meus sinais, que fiz no Egito e no deserto, e me tentaram estas dez vezes, e não obedeceram à minha voz, (23) Não verão a terra de que a seus pais jurei, e nenhum daqueles que me provocaram a verá. (24) Porém o meu servo Calebe, porquanto nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-me, eu o levarei à terra em que entrou, e a sua descendência a possuirá em herança. (25) Ora, os amalequitas e os cananeus habitam no vale; tornai-vos amanhã e caminhai para o deserto pelo caminho do Mar Vermelho. (26) Depois falou o SENHOR a Moisés e a Arão dizendo: (27) Até quando sofrerei esta má congregação, que murmura contra mim? Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel, com que murmuram contra mim. (28) Dize-lhes: Vivo eu, diz o SENHOR, que, como falastes aos meus ouvidos, assim farei a vós outros. (29) Neste deserto cairão os vossos cadáveres, como também todos os que de vós foram contados segundo toda a vossa conta, de vinte anos para cima, os que dentre vós contra mim murmurastes; (30) Não entrareis na terra, pela qual levantei a minha mão que vos faria habitar nela, salvo Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num. (31) Mas os vossos filhos, de que dizeis: Por presa serão, porei nela; e eles conhecerão a terra que vós desprezastes. (32) Porém, quanto a vós, os vossos cadáveres cairão neste deserto. (33) E vossos filhos pastorearão neste deserto quarenta anos, e levarão sobre si as vossas infidelidades, até que os vossos cadáveres se consumam neste deserto. (34) Segundo o número dos dias em que espiastes esta terra, quarenta dias, cada dia representando um ano, levareis sobre vós as vossas iniqüidades quarenta anos, e conhecereis o meu afastamento. (35) Eu, o SENHOR, falei; assim farei a toda esta má congregação, que se levantou contra mim; neste deserto se consumirão, e aí falecerão. (36) E os homens que Moisés mandara a espiar a terra, e que, voltando, fizeram murmurar toda a congregação contra ele, infamando a terra, (37) Aqueles mesmos homens que infamaram a terra, morreram de praga perante o SENHOR. (38) Mas Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, que eram dos homens que foram espiar a terra, ficaram com vida. (39) E falou Moisés estas palavras a todos os filhos de Israel; então o povo se contristou muito. (40) E levantaram-se pela manhã de madrugada, e subiram ao cume do monte, dizendo: Eis-nos aqui, e subiremos ao lugar que o SENHOR tem falado; porquanto havemos pecado. (41) Mas Moisés disse: Por que transgredis o mandado do SENHOR? Pois isso não prosperará. (42) Não subais, pois o SENHOR não estará no meio de vós, para que não sejais feridos diante dos vossos inimigos. (43) Porque os amalequitas e os cananeus estão ali diante da vossa face, e caireis à espada; pois, porquanto vos desviastes do SENHOR, o SENHOR não estará convosco. (44) Contudo, temerariamente, tentaram subir ao cume do monte; mas a arca da aliança do SENHOR e Moisés não se apartaram do meio do arraial. (45) Então desceram os amalequitas e os cananeus, que habitavam na montanha, e os feriram, derrotando-os até Hormá.

Números 15

 (1) DEPOIS falou o SENHOR a Moisés, dizendo: (2) Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando entrardes na terra das vossas habitações, que eu vos hei de dar, (3) E ao SENHOR fizerdes oferta queimada, holocausto, ou sacrifício, para cumprir um voto, ou em oferta voluntária, ou nas vossas solenidades, para fazerdes ao SENHOR um cheiro suave de ovelhas ou gado, (4) Então aquele que apresentar a sua oferta ao SENHOR, por oferta de alimentos trará uma décima de flor de farinha misturada com a quarta parte de um him de azeite. (5) E de vinho para libação prepararás a quarta parte de um him, para holocausto, ou para sacrifício para cada cordeiro; (6) E para cada carneiro prepararás uma oferta de alimentos de duas décimas de flor de farinha, misturada com a terça parte de um him de azeite. (7) E de vinho para a libação oferecerás a terça parte de um him ao SENHOR, em cheiro suave. (8) E, quando preparares novilho para holocausto ou sacrifício, para cumprir um voto, ou um sacrifício pacífico ao SENHOR, (9) Com o novilho apresentarás uma oferta de alimentos de três décimas de flor de farinha misturada com a metade de um him de azeite. (10) E de vinho para a libação oferecerás a metade de um him, oferta queimada em cheiro suave ao SENHOR. (11) Assim se fará com cada boi, ou com cada carneiro, ou com cada um dos cordeiros ou cabritos. (12) Segundo o número que oferecerdes, assim o fareis com cada um, segundo o número deles. (13) Todo o natural assim fará estas coisas, oferecendo oferta queimada em cheiro suave ao SENHOR. (14) Quando também peregrinar convosco algum estrangeiro, ou que estiver no meio de vós nas vossas gerações, e ele apresentar uma oferta queimada de cheiro suave ao SENHOR, como vós fizerdes, assim fará ele. (15) Um mesmo estatuto haja para vós, ó congregação, e para o estrangeiro que entre vós peregrina, por estatuto perpétuo nas vossas gerações; como vós, assim será o peregrino perante o SENHOR. (16) Uma mesma lei e um mesmo direito haverá para vós e para o estrangeiro que peregrina convosco. (17) Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo: (18) Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando entrardes na terra em que vos hei de introduzir, (19) Acontecerá que, quando comerdes do pão da terra, então oferecereis ao SENHOR oferta alçada. (20) Das primícias da vossa massa oferecereis um bolo em oferta alçada; como a oferta da eira, assim o oferecereis. (21) Das primícias das vossas massas dareis ao SENHOR oferta alçada nas vossas gerações. (22) E, quando vierdes a errar, e não cumprirdes todos estes mandamentos, que o SENHOR falou a Moisés, (23) Tudo quanto o SENHOR vos tem mandado por intermédio de Moisés, desde o dia que o SENHOR ordenou, e dali em diante, nas vossas gerações, (24) Será que, quando se fizer alguma coisa por ignorância, e for encoberto aos olhos da congregação, toda a congregação oferecerá um novilho para holocausto em cheiro suave ao SENHOR, com a sua oferta de alimentos e libação conforme ao estatuto, e um bode para expiação do pecado. (25) E o sacerdote fará expiação por toda a congregação dos filhos de Israel, e lhes será perdoado, porquanto foi por ignorância; e trouxeram a sua oferta, oferta queimada ao SENHOR, e a sua expiação do pecado perante o SENHOR, por causa da sua ignorância. (26) Será, pois, perdoado a toda a congregação dos filhos de Israel, e mais ao estrangeiro que peregrina no meio deles, porquanto por ignorância sobreveio a todo o povo. (27) E, se alguma alma pecar por ignorância, para expiação do pecado oferecerá uma cabra de um ano. (28) E o sacerdote fará expiação pela pessoa que pecou, quando pecar por ignorância, perante o SENHOR, fazendo expiação por ela, e lhe será perdoado. (29) Para o natural dos filhos de Israel, e para o estrangeiro que no meio deles peregrina, uma mesma lei vos será, para aquele que pecar por ignorância. (30) Mas a pessoa que fizer alguma coisa temerariamente, quer seja dos naturais quer dos estrangeiros, injuria ao SENHOR; tal pessoa será extirpada do meio do seu povo. (31) Pois desprezou a palavra do SENHOR, e anulou o seu mandamento; totalmente será extirpada aquela pessoa, a sua iniqüidade será sobre ela. (32) Estando, pois, os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. (33) E os que o acharam apanhando lenha o trouxeram a Moisés e a Arão, e a toda a congregação. (34) E o puseram em guarda; porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. (35) Disse, pois, o SENHOR a Moisés: Certamente morrerá aquele homem; toda a congregação o apedrejará fora do arraial. (36) Então toda a congregação o tirou para fora do arraial, e o apedrejaram, e morreu, como o SENHOR ordenara a Moisés. (37) E falou o SENHOR a Moisés, dizendo: (38) Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Que nas bordas das suas vestes façam franjas pelas suas gerações; e nas franjas das bordas ponham um cordão de azul. (39) E as franjas vos serão para que, vendo-as, vos lembreis de todos os mandamentos do SENHOR, e os cumprais; e não seguireis o vosso coração, nem após os vossos olhos, pelos quais andais vos prostituindo. (40) Para que vos lembreis de todos os meus mandamentos, e os cumprais, e santos sejais a vosso Deus. (41) Eu sou o SENHOR vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, para ser vosso Deus. Eu sou o SENHOR vosso Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário