VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

25 de jan de 2015

OPINIÃO FORMADA OU UMA METAMORFOSE AMBULANTE?


O “maluco beleza”, Raul Seixas, marcou uma geração por sua lucidez em entender os sistemas de pensamento que o rodeavam a ponto de questioná-los e influenciar outros no mesmo sentido. Fazia isso através de suas composições e interpretações semeadoras de cosmovisões.
O termo cosmovisão é tradução da palavra alemã Weltanschauung, que significa "modo de olhar o mundo" (welt, "mundo"; schauen, "olhar"). “É um conjunto de pressuposições [hipóteses que podem ser verdadeiras, parcialmente verdadeiras ou inteiramente falsas] que sustentamos [consciente ou inconscientemente, consistente ou inconsistentemente] sobre a formação básica do nosso mundo.” (James W. Sire).
De forma genial, Nancy Pearcy define cosmovisão como um mapa mental que nos diz como navegar de modo eficaz no mundo. E são muitas as opções para os viajantes: positivismo, liberalismo, marxismo, humanismo, pós-modernismo etc. Alguns destes mapas, obsoletos para uns, sempre úteis para outros.  
Esses muitos “ismos” servem como uma “caixa de ferramentas filosóficas abarrotada de termos e conceitos”, montando um padrão de ideia e comportamento humanos. Observemos, em síntese, o perfil de um deles, o pós-modernismo – uma das de ferramentas filosóficas mais utilizadas em nossos dias.
Uma alternativa ao pensamento moderno, ainda que hoje, anda em paralelo. Trata-se de um conceito muito amplo, ainda em construção, mas que já tem desconstruído muitas estruturas de pensamento, redefinindo conceitos e reinterpretando leituras de mundo.
O Pós-Modernismo é, principalmente, uma abordagem epistemológica (trata da natureza e a justificativa para o conhecimento/verdade). Busca a resposta para perguntas do tipo: Como sabemos o que sabemos? Como saber se o que sabemos é verdade?  O filósofo cristão J. P. Moreland explica que esse mapa mental, representa uma forma de relativismo cultural sobre coisas como a verdade, a realidade, a razão, os valores, o significado linguístico, o 'eu' e outras noções.
Comemora a queda dos pilares absolutos e erguem fortes bases fincadas no relativismo ou pluralismo como sustentação da mentalidade humana. Sua versão religiosa, em síntese, se manifesta nos chavões: “Fé é, por definição, individual e subjetiva!” ou “Qualquer crença é a verdade, se ela for verdadeira para mim!”. Uma rejeição enfática a qualquer afirmação de verdade absoluta.
            Diante disso, o crente precisa ter em mente uma cosmovisão bíblica. Ser capaz de ler o mundo com as lentes da fé cristã e quando navegar em mares desconhecidos não se deixar levar por qualquer onda de pensamentos, muitos dos quais contrariam a verdade de Deus. Ter a convicção de que os princípios revelados na Bíblia são atemporais, superiores à opinião pública e independem do veredicto de “intelectuais orgânicos” para serem considerados relevantes.
Nesse sentido, o primeiro capítulo do livro de Daniel torna-se uma ferramenta bíblica útil, ao explicar como ele e seus companheiros venceram uma difícil batalha entre cosmovisões. Uma trajetória que serve de referencial para uma mentalidade que conduz a um comportamento para a glória de Deus.
No meio de uma geração que se corrompia, Daniel possuía valores absolutos. O fato de não ter sido devorado na cova dos leões é admirável; mas outro fato também é digno de nota: Daniel não deixou que as cosmovisões que o rodeavam devorassem sua mentalidade, tornando-se mais uma presa do sistema de pensamento babilônico.
O império babilônico era o mais poderoso da época, e a capital Babilônia a cidade sede de um panteão de divindades (idolatria), capital mundial da astrologia e feitiçaria, berço de uma das sete maravilhas do mundo antigo (os Jardins suspensos da Babilônia). Um polo científico do mundo de então. E Daniel era um jovem de reconhecida capacidade intelectual; mas não foi por meio de um “ciências sem fronteiras” do governo de Israel que ele chegou até a Babilônia. Historicamente, era o momento em que as mãos do rei Nabucodonosor tomavam conta de grande parte do mundo antigo em disputa, mas, soberanamente a mão de Deus disciplinava seu povo, Israel, com o triste Cativeiro babilônico.
Quando aconteceu uma seleção do governo (concorridíssimo e de alto nível), Daniel foi um dos poucos aprovados. Daniel entendia o mundo sem absorver o mundanismo. Não demonizou a cultura em si, mas vigiou para não cair nas armadilhas de um ambiente que “jaz no maligno”. Ele rejeitou as “finas iguarias do rei”, porque se deliciava diariamente com alimento da preciosa comunhão pessoal com Deus. Não adotou um mapa mental babilônico, pois não queria se afastar do Senhor.
No ano 539 a.C, o império babilônico ruiu, derrotado pelo exército Persa. Mas, na guerra de cosmovisões, Daniel permaneceu firme na fidelidade a Deus, vencendo os conflitos ideológicos, num campo minado de ideias antibíblicas.
Assim como Daniel, em qualquer geração deste lado da vida, um crente precisará manter-se firme numa cosmovisão bíblica diante de outras leituras de mundo que, de maneira parcial ou inteiramente, ameaçam nosso compromisso com a glória de Deus. Principalmente nesse nosso mundo pós-moderno que elogia com entusiasmo o perfil “metamorfose ambulante” e deprecia com militância os que mantêm “uma velha opinião formada” sobre quase tudo.
(Pr. Charles Bronson)

Nenhum comentário:

Postar um comentário