VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

17 de out de 2015

O MERCENÁRIO E O PASTOR DE VERDADE

João 10.11-15
Jesus começou a explicar quem era o pastor: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá sua vida pelas ovelhas”. É muito interessante saber os muitos nomes que Jesus deu a si mesmo. São mais de cem; acho que são 107. Ele referiu a si mesmo como uma rosa: “Eu sou a rosa de Saron” e como um lírio: “Eu sou o lírio do vale”. A razão para tantos nomes é que apenas um não seria suficiente para descrevê-lo. Jesus tem tantas funções que apenas um nome não poderia explicá-las; não,nem todos eles juntos conseguem fazê-lo.
Paulo afirmou: “A mim, que sou o menor de todos os santos, esta graça me foi dada, de pregar aos gentios as insondáveis riquezas de Cristo”.
Entre todos os nomes, o de pastor é o mais terno. As ilustrações nos ajudam a compreender melhor as verdades. Portanto, no começo do capítulo 10 de João, Cristo faz um contraste entre si e um estranho; depois contrasta-se com um mercenário, que não é o dono das ovelhas. Iremos estudar o mercenário, e depois, as do pastor.
I. O mercenário. João 10.12-13.
Não há como duvidar que o mercenário (acredito eu) representa os pastores infiéis. Observemos, então, as características que fazem parte do obreiro infiel.
1. O mercenário trabalha por dinheiro.
Vocês sabem, prezados amigos, que o pastor precisa de sustento, A lei diz: “Não atarás a boca ao boi, quando trilhar.” (De. 25:4) “Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho” (1 Coríntios 9:14). Porém, amados irmãos, não é este o propósito do ministério. O mercenário se interessa pelo dinheiro, não pelo rebanho. Os profetas reclamaram dessa atitude. Isaías desabafou: “Todos os seus atalaias são cegos, nada sabem; todos são cães mudos, não podem ladrar; andam adormecidos, estão deitados e amam o tosquenejar. E estes cães são gulosos, não se podem fartar; e eles são pastores que nada compreendem; todos eles se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, cada um por sua parte” (Isa. 56.10-11). Os mercenários agem exatamente assim. Jeremias disse: “Porque desde o menor deles até ao maior, cada um se dá à avareza; e desde o profeta até ao sacerdote, cada um usa de falsidade.” (Jer. 6:13). Ezequiel também não andava muito feliz: “Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza e dize aos pastores: Assim diz o Senhor JEOVÁ: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não apascentarão os pastores as ovelhas?” (34:2). Paulo não estava em melhor situação: “Porque a ninguém tenho de igual sentimento, que sinceramente cuide do vosso estado; porque todos buscam o que é seu e não o que é de Cristo Jesus” (Filipenses 2:20-21). Ah, meus irmãos, esta é a marca negativa do mercenário: “Mas o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa” (João 10:12). Todavia o mercenário não é conhecido só porque anda atrás de dinheiro, mas porque quer uma vida sossegada, elogios e fama. Oremos pelos pastores; oremos para que não caiamos na cobiça.
2. O mercenário não é dono do rebanho.
Vocês sabem, queridos irmãos, que os pastores fiéis têm um relacionamento muito especial com as ovelhas. São chamados de pais, de guardas nas torres de vigia, etc. Esse relacionamento ultrapassa a morte. Paulo muitas vezes se referiu a si mesmo como pai (1 Coríntios 4.15; Gálatas 4.19; 1 Timóteo 1.2). Isto nos mostra uma ligação entre o pastor e o rebanho. Ele é o pai; ele gera as ovelhas por meio do evangelho. O mesmo não acontece com o mercenário, pois as ovelhas não lhe pertencem. Deus não o considera um pai para as ovelhas. Deus não o considera um instrumento na conversão de almas. O mercenário não pode dizer como Paulo: “Meus queridos, de quem tenho saudades; minha coroa e glória”. No juízo final, o mercenário não receberá uma coroa de almas salvas. Ah! Esta é a marca do mercenário—um galho seco. Oremos para que esta não seja a nossa marca.
3. O mercenário não se preocupa com as ovelhas.
Sabemos que os pastores chamados por Deus cuidam das ovelhas. Imaginem “pastor de verdade” (da página 1) quanto trabalho o apóstolo Paulo não teve que fazer; quanto sofrimento não teve que agüentar (2 Coríntios 11.23)! Ouçam sua oração: “Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, me é testemunha de como incessantemente faço menção de vós” (Romanos 1:9). “Porque quero que saibais quão grande combate tenho por vós, e pelos que estão em Laodicéia, e por quantos não viram o meu rosto em carne” (Colossenses 2:1). Ouçam o que ele disse aos anciãos de Éfeso: “Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós” (Atos 20:31). Testemunhem as lágrimas derramadas pelas ovelhas: “Porque, em muita tribulação e angústia do coração, vos escrevi, com muitas lágrimas, não para que vos entristecêsseis, mas para que conhecêsseis o amor que abundantemente vos tenho” (2 Coríntios 2:4). Ouçam a gratidão expressa a Deus: “Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós” (Filipenses 1:3); e “Porque que ação de graças poderemos dar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus” (1 Tessalonicenses 3:9), e mais: “Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações” (Efésios 1:16). Estas são as marcas de um verdadeiro pastor! Contudo o mercenário não se preocupa com as ovelhas. Ele não chora pelo rebanho. Como poderia fazê-lo se seu coração não se angustia pelas ovelhas? Oremos para que amemos tanto a Cristo que estaremos sempre prontos a cuidar do rebanho.
4. O mercenário foge quando o lobo aparece.
“Mas o mercenário, que não é o pastor, e a quem as ovelhas não pertencem, foge quando vê o lobo chegando”. Na Bíblia, o lobo pode representar duas coisas: os falsos pastores e as heresias. Atos 20.29: “Porque eu sei isto: que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão o rebanho”. Evidentemente os lobos cruéis são os falsos mestres, que apresentam outro evangelho. “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos;” (Mateus 10:16). Neste versículo, os lobos são os homens que arrastariam as ovelhas até às autoridades. O pastor de verdade se revela quando o lobo chega. Ele se coloca na frente das ovelhas quando as heresias aparecem ou quando a perseguição estende suas garras sobre o rebanho. É nesta hora que o verdadeiro pastor se coloca entre o aprisco e o perigo. O mercenário, todavia, foge. No momento em que sua tranqüilidade e seu conforto correm perigo, ele desaparece. Oremos para que nosso país tenha pastores de verdade, e não mercenários que não se preocupam com o rebanho; pessoas a quem Deus não chama para converter almas; que fogem quando heresias e perseguições ameaçam o rebanho. Oremos para que os verdadeiros pastores se façam conhecer quando as heresias e perseguições surgirem. Oremos para que nunca chegue o dia em que nossa pátria caia nas mãos de pastores mercenários.
II. Consideremos agora o verdadeiro pastor.
É tão reconfortante desviar os olhos do mercenário e colocá-los no pastor de verdade. “Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá sua vida pelas ovelhas”. Aqui Jesus nos apresenta as três marcas do verdadeiro pastor.
1. O verdadeiro pastor dá sua vida pelas ovelhas.
Jacó foi um bom pastor nos campos de Labão. Vocês se lembram de como ele cuidou das ovelhas. “Não te trouxe eu o despedaçado; eu o pagava; o furtado de dia e o furtado de noite da minha mão o requerias. Estava eu de sorte que de dia me consumia o calor, e, de noite, a geada; e o meu sono foi-se dos meus olhos” (Gênesis 31:39-40), justificou-se. Mas Jacó não se entregou pelas ovelhas. Davi foi um ótimo pastor. Certa vez um leão e um urso apareceram e agarraram uma ovelha. Davi perseguiu e matou os animais, e trouxe sua ovelha de volta (1 Samuel 17.35). Porém Davi não deu sua vida pelas ovelhas. Cristo entregou sua vida pelas ovelhas. A condenação foi dada às ovelhas: “Vocês morrerão”. Cristo colocou-se diante das ovelhas e morreu por elas.
“Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados” (Isaías 53:5). Sua morte foi causada pelo pecado. “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6.23). E foi de graça; ele morreu por amor, voluntariamente. Ele se entregou por nós. “Amai-vos uns aos outros como Cristo amou a igreja, e se entregou por ela.” Há um só Mediador, “que se deu em resgate de muitos”. Irmãos, quando eu e você chegarmos ao Céu, veremos “o Cordeiro que foi morto”. Esta cena prende sua atenção? Seu coração é de pedra, e você não consegue entender este amor? Oh, irmãos! A quem podemos recorrer, se não a ele? Veja o que ele ofereceu—sua própria vida! “Eu sou o bom  pastor; o bom pastor dá sua vida pelas ovelhas”.
2. O pastor conhece suas ovelhas.
Irmãos, nós sabemos que o Pai conhece o Filho completamente. Ele o conhece desde sempre. “Estive com ele como um que cresceu ao seu lado. Eu era sua alegria, regozijando-me diante dele.” É assim que Cristo conhece suas ovelhas. “Ele nos escolheu antes da fundação do mundo.” Sabemos que o Pai ama o Filho com alegria total. Cristo ama suas ovelhas com a mesma felicidade. “Tu és linda, meu amor; não há manchas em ti. Como o lírio entre espinhos, assim é minha amada entre as filhas da terra! Meu amor, não há ninguém igual; ela é a única filha de sua mãe”. Cristo se alegra com cada uma de suas ovelhas. O Pai sabia exatamente o que Jesus estava passando quando sofreu aqui na terra. Da mesma maneira, Cristo sabe o que acontece com suas ovelhas, e por isto pode dizer: “Eu conheço minhas ovelhas”. Ele as “pastor de verdade” conhece por toda a eternidade. Ele diz: “Elas nunca perecerão. Ninguém as arrebatará de minhas mãos”. Existe algum pastor como este Pastor?
3. As ovelhas conhecem o pastor.
As ovelhas conhecem a Cristo, e Cristo conhece as ovelhas. Cristo conhece muito bem o Pai. “Pai justo, o mundo não te conhece, mas eu te conheço.” É assim que as ovelhas conhecem a Cristo: ele se manifesta a elas. Cristo já se revelou a você? Ele já abriu sua mente para compreender que ele é a verdade? E você já está nele, que é a verdade? Esta é a marca da ovelha: “...das minhas sou conhecido”. Esta é uma das maravilhas que Cristo oferece às suas ovelhas. Seguimos sua fragrância quando ele passa. Você tem sentido seu perfume? Você está seguindo o perfume dele? Você é conhecido dele do mesmo modo que ele é conhecido do Pai?

Robert Murray M’Cheyne
(Pulpit Helps)

Nenhum comentário:

Postar um comentário