VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER

"A Igreja deve atrair pela diferença e não pela igualdade" C.H. Spurgeon

VISITE A IGREJA BATISTA REGULAR EBENÉZER
R. José Severiano Câmara, 244 - Centro - João Câmara/RN

TERÇA:.........................Sociedade Masculina -.................19:30hs.
..........................................Sociedade Feminina -...................19:30hs.
QUARTA:.....................Culto de Oração -.........................19:30hs.
SÁBADO:......................Projeto Boas Novas -..................15:30hs.
..........................................Culto da Mocidade -....................19:30hs.
DOMINGO:..................Escola Bíblica Dominical -..........08:00hs.
..........................................Culto Oficial -..............................19:00 hs.

Culto de Ação de Graças

10 de mar de 2014

Leitura Cronológica Anual da Bíblia (Mês 11, dia 7)

João 11-13

João 11

 (1) ESTAVA, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta. (2) E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com ungüento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo. (3) Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas. (4) E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela. (5) Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. (6) Ouvindo, pois, que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde estava. (7) Depois disto, disse aos seus discípulos: Vamos outra vez para a Judéia. (8) Disseram-lhe os discípulos: Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e tornas para lá? (9) Jesus respondeu: Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; (10) Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz. (11) Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. (12) Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. (13) Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono. (14) Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; (15) E folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse, para que acrediteis; mas vamos ter com ele. (16) Disse, pois, Tomé, chamado Dídimo, aos condiscípulos: Vamos nós também, para morrermos com ele. (17) Chegando, pois, Jesus, achou que já havia quatro dias que estava na sepultura. (18) (Ora Betânia distava de Jerusalém quase quinze estádios.) (19) E muitos dos judeus tinham ido consolar a Marta e a Maria, acerca de seu irmão. (20) Ouvindo, pois, Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro; Maria, porém, ficou assentada em casa. (21) Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. (22) Mas também agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá. (23) Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar. (24) Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia. (25) Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; (26) E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto? (27) Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo. (28) E, dito isto, partiu, e chamou em segredo a Maria, sua irmã, dizendo: O Mestre está cá, e chama-te. (29) Ela, ouvindo isto, levantou-se logo, e foi ter com ele. (30) (Pois, Jesus ainda não tinha chegado à aldeia, mas estava no lugar onde Marta o encontrara.) (31) Vendo, pois, os judeus, que estavam com ela em casa e a consolavam, que Maria apressadamente se levantara e saíra, seguiram-na, dizendo: Vai ao sepulcro para chorar ali. (32) Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. (33) Jesus pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se. (34) E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem, e vê. (35) Jesus chorou. (36) Disseram, pois, os judeus: Vede como o amava. (37) E alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse? (38) Jesus, pois, movendo-se outra vez muito em si mesmo, veio ao sepulcro; e era uma caverna, e tinha uma pedra posta sobre ela. (39) Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias. (40) Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus? (41) Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E Jesus, levantando os olhos para cima, disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido. (42) Eu bem sei que sempre me ouves, mas eu disse isto por causa da multidão que está em redor, para que creiam que tu me enviaste. (43) E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. (44) E o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o, e deixai-o ir. (45) Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo a Maria, e que tinham visto o que Jesus fizera, creram nele. (46) Mas alguns deles foram ter com os fariseus, e disseram-lhes o que Jesus tinha feito. (47) Depois os principais dos sacerdotes e os fariseus formaram conselho, e diziam: Que faremos? porquanto este homem faz muitos sinais. (48) Se o deixamos assim, todos crerão nele, e virão os romanos, e tirar-nos-ão o nosso lugar e a nação. (49) E Caifás, um deles que era sumo sacerdote naquele ano, lhes disse: Vós nada sabeis, (50) Nem considerais que nos convém que um homem morra pelo povo, e que não pereça toda a nação. (51) Ora ele não disse isto de si mesmo, mas, sendo o sumo sacerdote naquele ano, profetizou que Jesus devia morrer pela nação. (52) E não somente pela nação, mas também para reunir em um corpo os filhos de Deus que andavam dispersos. (53) Desde aquele dia, pois, consultavam-se para o matarem. (54) Jesus, pois, já não andava manifestamente entre os judeus, mas retirou-se dali para a terra junto do deserto, para uma cidade chamada Efraim; e ali ficou com os seus discípulos. (55) E estava próxima a páscoa dos judeus, e muitos daquela região subiram a Jerusalém antes da páscoa para se purificarem. (56) Buscavam, pois, a Jesus, e diziam uns aos outros, estando no templo: Que vos parece? Não virá à festa? (57) Ora, os principais dos sacerdotes e os fariseus tinham dado ordem para que, se alguém soubesse onde ele estava, o denunciasse, para o prenderem.

João 12

 (1) FOI, pois, Jesus seis dias antes da páscoa a Betânia, onde estava Lázaro, o que falecera, e a quem ressuscitara dentre os mortos. (2) Fizeram-lhe, pois, ali uma ceia, e Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. (3) Então Maria, tomando um arrátel de ungüento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do ungüento. (4) Então, um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, filho de Simão, o que havia de traí-lo, disse: (5) Por que não se vendeu este ungüento por trezentos dinheiros e não se deu aos pobres? (6) Ora, ele disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão e tinha a bolsa, e tirava o que ali se lançava. (7) Disse, pois, Jesus: Deixai-a; para o dia da minha sepultura guardou isto; (8) Porque os pobres sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes. (9) E muita gente dos judeus soube que ele estava ali; e foram, não só por causa de Jesus, mas também para ver a Lázaro, a quem ressuscitara dentre os mortos. (10) E os principais dos sacerdotes tomaram deliberação para matar também a Lázaro; (11) Porque muitos dos judeus, por causa dele, iam e criam em Jesus. (12) No dia seguinte, ouvindo uma grande multidão, que viera à festa, que Jesus vinha a Jerusalém, (13) Tomaram ramos de palmeiras, e saíram-lhe ao encontro, e clamavam: Hosana! Bendito o Rei de Israel que vem em nome do Senhor. (14) E achou Jesus um jumentinho, e assentou-se sobre ele, como está escrito: (15) Não temas, ó filha de Sião; eis que o teu Rei vem assentado sobre o filho de uma jumenta. (16) Os seus discípulos, porém, não entenderam isto no princípio; mas, quando Jesus foi glorificado, então se lembraram de que isto estava escrito dele, e que isto lhe fizeram. (17) A multidão, pois, que estava com ele quando Lázaro foi chamado da sepultura, testificava que ele o ressuscitara dentre os mortos. (18) Por isso a multidão lhe saiu ao encontro, porque tinham ouvido que ele fizera este sinal. (19) Disseram, pois, os fariseus entre si: Vedes que nada aproveitais? Eis que toda a gente vai após ele. (20) Ora, havia alguns gregos, entre os que tinham subido a adorar no dia da festa. (21) Estes, pois, dirigiram-se a Filipe, que era de Betsaida da Galiléia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus. (22) Filipe foi dizê-lo a André, e então André e Filipe o disseram a Jesus. (23) E Jesus lhes respondeu, dizendo: É chegada a hora em que o Filho do homem há de ser glorificado. (24) Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. (25) Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna. (26) Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará. (27) Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, salva-me desta hora; mas para isto vim a esta hora. (28) Pai, glorifica o teu nome. Então veio uma voz do céu que dizia: Já o tenho glorificado, e outra vez o glorificarei. (29) Ora, a multidão que ali estava, e que a ouvira, dizia que havia sido um trovão. Outros diziam: Um anjo lhe falou. (30) Respondeu Jesus, e disse: Não veio esta voz por amor de mim, mas por amor de vós. (31) Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo. (32) E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. (33) E dizia isto, significando de que morte havia de morrer. (34) Respondeu-lhe a multidão: Nós temos ouvido da lei, que o Cristo permanece para sempre; e como dizes tu que convém que o Filho do homem seja levantado? Quem é esse Filho do homem? (35) Disse-lhes, pois, Jesus: A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai. (36) Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Estas coisas disse Jesus e, retirando-se, escondeu-se deles. (37) E, ainda que tinha feito tantos sinais diante deles, não criam nele; (38) Para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías, que diz: Senhor, quem creu na nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do Senhor? (39) Por isso não podiam crer, então Isaías disse outra vez: (40) Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, A fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, E se convertam, E eu os cure. (41) Isaías disse isto quando viu a sua glória e falou dele. (42) Apesar de tudo, até muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga. (43) Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus. (44) E Jesus clamou, e disse: Quem crê em mim, crê, não em mim, mas naquele que me enviou. (45) E quem me vê a mim, vê aquele que me enviou. (46) Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas. (47) E se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo; porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. (48) Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia. (49) Porque eu não tenho falado de mim mesmo; mas o Pai, que me enviou, ele me deu mandamento sobre o que hei de dizer e sobre o que hei de falar. (50) E sei que o seu mandamento é a vida eterna. Portanto, o que eu falo, falo-o como o Pai mo tem dito.

João 13

 (1) ORA, antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim. (2) E, acabada a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse, (3) Jesus, sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus, (4) Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. (5) Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. (6) Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim? (7) Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. (8) Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. (9) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça. (10) Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos. (11) Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos. (12) Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? (13) Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. (14) Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. (15) Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. (16) Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. (17) Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes. (18) Não falo de todos vós; eu bem sei os que tenho escolhido; mas para que se cumpra a Escritura: O que come o pão comigo, levantou contra mim o seu calcanhar. (19) Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que eu sou. (20) Na verdade, na verdade vos digo: Se alguém receber o que eu enviar, me recebe a mim, e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou. (21) Tendo Jesus dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há de trair. (22) Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele falava. (23) Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus. (24) Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse quem era aquele de quem ele falava. (25) E, inclinando-se ele sobre o peito de Jesus, disse-lhe: Senhor, quem é? (26) Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão. (27) E, após o bocado, entrou nele Satanás. Disse, pois, Jesus: O que fazes, faze-o depressa. (28) E nenhum dos que estavam assentados à mesa compreendeu a que propósito lhe dissera isto. (29) Porque, como Judas tinha a bolsa, pensavam alguns que Jesus lhe tinha dito: Compra o que nos é necessário para a festa; ou que desse alguma coisa aos pobres. (30) E, tendo Judas tomado o bocado, saiu logo. E era já noite. (31) Tendo ele, pois, saído, disse Jesus: Agora é glorificado o Filho do homem, e Deus é glorificado nele. (32) Se Deus é glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e logo o há de glorificar. (33) Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco. Vós me buscareis, mas, como tenho dito aos judeus: Para onde eu vou não podeis vós ir; eu vo-lo digo também agora. (34) Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. (35) Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. (36) Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? Jesus lhe respondeu: Para onde eu vou não podes agora seguir-me, mas depois me seguirás. (37) Disse-lhe Pedro: Por que não posso seguir-te agora? Por ti darei a minha vida. (38) Respondeu-lhe Jesus: Tu darás a tua vida por mim? Na verdade, na verdade te digo que não cantará o galo enquanto não me tiveres negado três vezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário